À Lupa, Os Reforços…Dinis

Dinis, será porventura o reforço vitoriano, que apesar da juventude, melhor conhece os cantos à casa, já que, apesar de ter, apenas, vinte e um anos, já conta sete de defesa da causa vitoriana.

Nascido no Monção, no Alto Minho, verdadeiro viveiro de bons jogadores vitorianos – Romeu, Ibraim e José Carlos serão alguns exemplos – o jovem Dinis desde cedo, deu nas vistas… boa compleição física, maturidade superior à idade e amplo discernimento na leitura de todos os momentos de jogo, tornaram o jovem num alvo apetecido para qualquer emblema de estirpe superior.

Haveria de ser o Vitória a conquistá-lo, com apenas catorze anos… num processo negocial difícil, mas justificável, atendendo à qualidade intrínseca do atleta, que haveria de ter dificuldades de adaptação notórias ao berço de Portugal.

Porém, estas debeladas tornar-se-ia a peça mais fulcral da cantera… ao lado de jovens talentosos como Diogo Lamelas, Bruno, Lucas, Gonçalo ou Cristiano haveria de ser parte integrante de uma das geração provindas da formação que mais encantou os vitorianos…e mais fez sonhar com uma equipa principal com base nos escalões de base.

Haveria de se estrear no escalão sénior, pela mão de Manuel Cajuda na última jornada da época 2008/2009, frente à Académica…aqueles parcos minutos que actuou simbolizaram o concretizar de um sonho iniciado cinco anos antes e o abrir de portas para a época que se avizinhava.

Porém, a abrupta saída de Cajuda, que lhe patrocinara a estreia no escalão primodivisionário, fechar-lhe-ia as portas do plantel vitoriano, já que Nelo Vingada considerava-o demasiado imaturo para o escalão principal e daí à dispensa ao Gondomar foi um passo.

Aí, a confirmação de todos os (bons) indícios deixados…critério no passe, capacidade de recuperar bolas acima da média, num misto de Gattuso e Paulo Sousa que nunca deixou alguém indiferente, inclusivamente as selecções mais jovens onde, sempre, foi presença assídua.

Regressaria a Guimarães na época seguinte com o sonho de se fixar, definitivamente, no plantel…debalde, já que Manuel Machado preferiria integrá-lo no projecto Lousada, criado, para permitir que jovens como ele, Cristiano, Rafael, Assis, Gonçalo – não o seu companheiro dos juniores, mas o central proveniente do Barreirense – aprimorassem as suas qualidades.

E, conjuntamente, com o jovem extremo daria nas vistas, demonstrando um andamento superior aos demais… assim, a cedência ao Fabril – filial do Deportivo – foi um corolário lógico e a abertura para o sonho de um dia actuar em La Liga. Porém, o péssimo campeonato protagonizado pelos galegos em que, inclusivamente, foram despromovidos, inviabilizaria qualquer opção de compra, ainda, que a mesma estivesse inserta no seu contrato.

Regressa, assim, a Guimarães mais jogador e com a certeza de ter as portas abertas para se afirmar… não sendo ele um jovem e Manuel Machado na pretérita época se tivesse lamentado da lentidão e falta de ânimo do meio campo vitoriano e deste modo o futuro só poderá ser sorridente para o minhoto… A ver vamos, esperando que sim!

  Categories: