Abram Os Olhos…

Consequência da crise económica que corrói o País ou da crise exibicional do Vitória? As duas hipóteses serão válidas para explicar a acentuada quebra nas assistências do Estádio D. Afonso Henriques, mas Nilson, referência de peso no balneário, não consegue dissociar a má campanha da equipa da inusitada redução de espectadores.

Os números são deixam margem para dúvidas: na sétima jornada, diante do Sporting, estiveram 19.830 espectadores nas bancadas; duas rondas depois, com o Rio Ave, verificou-se a redução de sete mil adeptos; e o duelo frente ao Gil Vicente assinala o pior registo da época (8.556). Aliás, nesta temporada, só à terceira jornada é que se vislumbrara assistência abaixo dos 10 mil (a visita do Beira-Mar convocara o interesse de apenas 9.627 espectadores)

In A Bola

Optamos por transcrever o artigo na íntegra para não restarem dúvidas acerca do seu conteúdo.

Os culpados desta situação, ainda, não entenderam porquê ou querem que lhe façamos um desenho? É que das consequências aventadas poderíamos substituir a crise económica por outra crise, que bem sabemos qual é… e que passa pela profunda crise de descrença, que por razões bem sabidas, se vai apoderando de quem, realmente, ama o Vitória.

Daqui a uns tempos, ainda temos SAD, mas não temos adeptos que subscrevam os títulos…

O estado de saturação parece ter chegado aos vitorianos…