Ainda não foi desta…(fotos)

O Vitória saiu mais uma vez derrotado do Troféu Cidade de Guimarães, ao perder esta noite com o Benfica por 5-3.
Nos minutos iniciais do jogo, o Vitória demonstrou uma grande fragilidade nos sectores mais recuados, permitindo entradas fáceis dos forasteiros na área. Esta permeabilização permitiu ao Vitória sofrer dois golos nos dez minutos iniciais do jogo. Com o passar do tempo, o sector ofensivo conseguiu-se organizar, e criar algumas situações de maior perigo, mas sempre sem resultados. À passagem da meia hora de jogo, Valdomiro vê o guarda-redes adversário largar a bola e cabeceia para o 2-1. O Vitória cresceu bastante depois de reduzir a desvantagem, mas os problemas defensivos continuavam.

Ao intervalo Manuel Machado faz quatro substituições, e tira de campo alguns dos melhores jogadores do Vitória no primeiro tempo, e caíram por terra todas as aspirações de empate ou reviravolta no marcador, pois o crescendo notório dos últimos 45 minutos perdeu-se completamente. Prova disso foram os dois golos sofridos logo nos minutos iniciais, com erros crassos de marcação defensiva e mau posicionamento de Serginho na baliza. Mais uma vez o Vitória sofria dois golos de rajada. Na passagem da hora de jogo o Vitória reduz novamente a desvantagem, após um lance confuso na baliza adversária, a bola sobra para Douglas que remata para o fundo da baliza. Dez minutos depois, mais um mau posicionamento de Serginho que dá golo para os visitantes. Em cima dos noventa minutos, mais uma vez Valdomiro após um canto cabeceia para o fundo da baliza, estabelecendo o resultado final.

Deste jogo tiraram-se várias elações, o Vitória necessita urgentemente de contratar um bom central e um médio ofensivo (vulgo nº 10). Um bom central, porque o miolo da defesa Vitoriana parece (em bom Português) “manteiga no verão”.Um central que seja bom no corte de bola, mas acima de tudo com capacidade de visão de jogo e que saia a jogar com inteligência. Um médio ofensivo, para fazer a transição defesa ataque, sector essencial na táctica Vitoriana. Uma nota mais para a frente de ataque, sector com notória capacidade, em especial Bebé e Faouzi, que surpreenderam pela positiva.

Com este jogo revelou-se também com o que o Vitória terá que esperar ao longo da época, equipas de arbitragem com dualidades de critérios, favorecendo os teoricamente “mais fortes”. Não se compreende como é possível deixar impunes jogadores que fazem entradas perigosas, a pés juntos, com pé em riste à altura da cabeça do jogador. Certo que era um jogo dito de treino, apesar de haver um troféu a conquistar, mas mesmo a ganhar com clara vantagem, a equipa visitante não se rogou em fazer entradas comprometedoras para a integridade física dos jogadores Vitorianos, sempre impunes perante a equipa de arbitragem.