[Antevisão] Nacional – Vitória SC

547616_515299285201575_534653327_n

Há já algumas semanas que se fala que o campeonato do Vitória está feito. Porém essa não parece ser a ideia que vai na mente de Rui Vitória, como prova as recentes conferências de imprensa e mesmo o empréstimo de jogadores à Equipa B, que já levou Luiz Felipe a um grito de revolta. Mas a verdade é que apesar de todos termos embandeirado em arco o campeonato do Vitória ainda se joga, uma vez que ficar em quinto ou abaixo não será o mesmo no que toca ao início da próxima época e porque certamente há o desejo de tornar esta época o mais única possível.

E o jogo desta segunda-feira, dia 1 de Abril de 2013, poderá ser um dos mais importantes para essas vontades. Para não falar que a apimentar ainda mais o jogo temos o facto de do outro lado estar um treinador que várias vezes atacou Rui Vitória e foi o seu antecessor em Guimarães, falo pois desse criador do Machadês, Manuel Machado. A juntar a tudo isto está o facto de na 1ª volta o Vitória ter perdido para um Nacional, que na altura era último classificado, depois de ter ido para o intervalo a vencer por 1-0.

Poderíamos dizer que as coisas estão muito diferentes neste momento, começando pelos onzes até às classificações. O Vitória é hoje 7º, podendo igualar, em caso de vitória, o 5º classificado, por sinal o Marítimo, rival do Nacional; já o Nacional é 9º e em caso de vitória ultrapassará os branquinhos na tabela classificativa, algo que ficou evidente nas palavras de Mateus que considerou este jogo importante.

A QUESTÃO TÁTICA

Quanto aos onzes muito mudou. O Vitória apresenta-se hoje no mesmo modelo de 4x2x3x1, mas com jogadores totalmente diferentes. A defesa e o meio-campo serão totalmente diferentes e no ataque restarão Ricardo e Soudani, este agora descaído sobre a esquerda, lugar que lhe assenta tão bem. E é aqui que pode estar o segredo do jogo. Sabendo que Machado é um bom estratega ele procurará anular o meio-campo do Vitória, especialmente Tiago Rodrigues, pelo que neste jogo o segredo pode estar nas segundas bolas e na forma como Soudani e Ricardo aparecem no apoio a Baldé aquando do jogo direto. Do outro lado o Nacional irá apostar tudo na velocidade e irrequietação dos seus avançados e outra coisa não se esperaria de jogadores como Rondon, Mateus e Candeias.

Porém as dúvidas em ambas as equipas poderão ajudar à festa e solução do jogo. Do lado do Vitória haverá dúvidas em relação ao regresso de Kanu ao onze, porém, entre ele e o capitão Alex, o brasileiro é claramente o melhor jogador para este jogo visto que Alex tem dificuldades de acompanhamento. E a questão da lateral esquerda pode ser também uma surpresa se Addy recuperar a tempo e aparecer no onze, visto que este será o lado mais explorado certamente pelo Nacional no caso de jogar Luís Rocha. Do lado do Nacional as dúvidas prendem-se com quem irá substituir os lesionados Moreno e Marçal. Se para o segundo a resposta poderá ser João Aurélio, formado nas escolas vitorianas, um extremo adaptado a lateral que se pode cruzar em campo com Luís Rocha (sinas do destino) e que pode fazer com que Rui Vitória decida chamar muito Soudani ao jogo, de forma a explorar as dificuldades de Aurélio. Quanto a Moreno, a substituição afigura-se mais difícil, pois com Aurélio à direita Claudemir deixa de ser opção, sendo que a solução poderá ser x. O Nacional joga hoje em 4x3x3.

A chave para a Solução

O ponto-chave deste jogo poderá estar, tal como na primeira volta no jogo de banco. De lembrar que na primeira volta Machado ganhou o jogo com a colocação de Mateus em campo, perante a passividade de Rui Vitória em corrigir a sua equipa, algo inerente ao treinador do Vitória. Ora neste jogo tudo poderá ser diferente. Se na 1ª volta Machado tinha boas soluções no banco desta vez não as terá. Já do lado vitoriano Rui Vitória terá dois jogadores que podem mudar o chip da equipa por completo, falo portanto de Barrientos e Crivellaro! Sim, esses dois seres que pareciam destinados a serem mais dois daqueles que passam pelo clube sem nunca mostrar realmente algum valor para terem feito o Vitória apostar em si.

Porém ambos tem esta época crescido ao ponto de serem hoje jogadores mais compreendidos pelos adeptos do clube. Barrientos assumiu-se após o penalti marcado frente ao Setubal, para a Taça, e teve o seu grande momento nos quartos de final frente ao Braga, sendo depois relegado para o banco devido ao surgimento de Tiago Rodrigues, sendo que a solução pode mesmo passar pelo recuo de Tini, como o Tiago é conhecido, e a entrada de Barri para o apoio a Baldé. Já Crivellaro apareceu em Janeiro, aproveitando todas as ausências da altura devido à Can e provou ter capacidade e ser capaz de desempenhar um papel de contenção e critério quando a equipa se encontra a ganhar, sendo um extremo que fecha bem no meio. Estes podem ser os 2 Jokers (não esquecendo o adormecido João Ribeiro) na manga de Rui Vitória para finalmente derrotar Machado e trazer os  3 pontos para Guimarães.