Arbitragem Impede Sonho…

Foi absolutamente inglória a jornada de hoje, no campeonato nacional de voleibol, para as cores vitorianas no desafio frente ao Espinho.

Com efeito, na derrota de hoje por três sets a um frente ao Espinho, podem-se ressaltar dois factos claros e que condicionaram toda a partida.

Primeiro: o grande equilíbrio nos parciais perdidos (23-25 no primeiro e segundo e 33-35 (!) no quarto e a clareza com que o Vitória venceu o terceiro jogo por 25-17.

Segundo: o facto de no último set, que ficou 35-33, a equipa de arbitragem ter espoliado de modo assombroso a equipa vitoriana, prejudicando-a em vários pontos, em caso de dúvida e negando um ponto, já, nas vantagens que permitiria empatar a contenda a dois e levar o desafio para a negra.

Porém, a verdade é que contra os espinhenses estes cozinhados são habituais…e parece inacreditável o estatuto de impunidade com que Miguel Maia se passeia no campo, sendo-lhe permitidas todas as diatribes.

Destaque, também, para a raça e o querer que a equipa colocou em campo, demonstrando uma indómita vontade de vencer – o que como já referimos foi impossibilitado por a terceira equipa – e uma sumptuosa exibição de Jacke Silva que, sozinho, colocou em sentido o adversário… Pena foi, reiteramos, ter de jogar contra duas equipas.