Bate Bate Coração! [Vitória 2-1 Rio Ave] (FOTOS)

Foi um verdadeiro hino ao sofrimento…

O Vitória venceu o Rio Ave, por duas bolas a uma, num jogo decidido, apenas, no último minuto numa grande penalidade convertida por Nuno Assis e quando a equipa sofreu a bom sofrer toda a segunda metade

E na verdade, ninguém poderia prever isso.

Entrando em 4-4-2 losango com Nuno Assis nas costas de Toscano e Edgar, os branquinhos entraram mandões no desafio e o golo apontado por N´Diaye aos oito minutos, em recarga a um livre superiormente batido por Toscano e que deflagrou no poste, parecia querer indicar que as tardes de futebol prazenteiro e desprovidas de sofrimento para os adeptos estavam acabadas.

Puro engano!

A partir daí, apesar de o Vitória continuar a acercar-se da área vilacondense, a verdade é que o adversário cresceu… apoiado na capacidade de transição de Vítor Gomes, capaz de desdobrar rapidamente o futebol da equipa, e das verdadeiras chapadas que os extremos, Kelvin e Atsu davam no jogo, o desafio dividiu-se…  ainda que o Vitória tivesse tido sublimes oportunidades para matar o jogo, como o estouro de João Alves que beijou a barra de Huanderson.

E nesse clima de toada e resposta, o Rio Ave marcou… no último segundo da primeira metade, por João Tomás, e deixando antever um mar de tormentas para a segunda metade.

E verdade seja dita, tal sucedeu… o adversário na segunda metade, beneficiando de uma clara quebra física dos branquinhos, dominou o jogo e criou oportunidades em série. O Vitória, esse, não conseguia ultrapassar a primeira fase de transição ofensiva, limitando-se a perder o esférico.

No banco, Rui Vitória esforçava-se por reverter a situação introduzindo em peleja Barrientos e Faouzi. Apesar de o marroquino ter desperdiçado a melhor oportunidade vitoriana na segunda metade, não conseguindo desfeitear o guardião adversário, a verdade é que os homens de Carlos Brito dominavam o jogo. Valeu várias vezes um homem que continua a ser um verdadeiro cardiologista dos vitorianos, Nilson de seu nome e, inclusivamente o poste a negar o que seria uma desgraça para os 12890 vitorianos presentes.

Até que no fim do jogo, o climax atingiu o seu apogeu… José Gomes viu o segundo amarelo e o concomitante vermelho…Edgar saiu inconsciente do relvado, deixando os branquinhos reduzidos a dez e um estádio preocupado… e no último minuto, em desespero, uma bola bombeada, Alex cabeceia-a para a molhada e Tiago Pinto de braços abertos ampara-a… Xistra, sem dúvidas, aponta para a grande penalidade que Nuno Assis, com uma calma olímpica converteria! Era o transformar do Afonso Henriques num vulcão em ebulição e a garantia de mais uma vitória, a segunda no presente campeonato!

O jogo terminaria logo a seguir e dele apenas uma certeza: é necessária maior estabilidade psicológica para suceder a desejada escalada na tabela…esperemos que assim seja!

FOTOS AVS :