[Bétis 1-0 Vitória] – Eles viram-se gregos… literalmente!

1378109_539230366171436_1028239361_n

O Vitória averbou esta tarde a sua primeira derrota na edição 13/14 da Liga Europa. O golo solitário apontado por Álvaro Vadillo aos 50´ decidiu o encontro, firmando um resultado totalmente injusto e que em nada reflete o que se passou no relvado do Benito Villamarín.
Ao contrário do que poderia ser expectável, foi o Vitória a assumir o controlo das operações desde início, com os espanhóis a limitarem-se a recuar as linhas e a fechar espaços para depois aproveitar as transições. Logo a abrir Malonga pôs em sentido os béticos, demonstrando que o Vitória não estava em Sevilha para brincadeiras.
No restante tempo da primeira parte manteve-se a mesma toada: Vitória com bola à procura de espaços e o adversário a dificultar a tarefa aos Branquinhos, que hoje apresentaram-se em versão dourada.

Contudo esta maior quantidade de posse de bola nem sempre se traduziu num proporcional número de oportunidades de golo, com o Vitória a preferir a prudência ao virtuosismo – afinal, quem estava obrigado a vencer era a equipa da casa…
Numa das várias incursões ao ataque, Chris Malonga tirou um cruzamento bem medido para a cabeça de Fernando Russi que desviou por cima da baliza de Andersen. Do outro lado Douglas correspondeu em grande nível à solicitação de Jorge Molina, isto na sequência da única desconcentração defensiva do Vitória nos primeiros 45 minutos.

À passagem do minuto 39 chegaria no entanto o momento do jogo, merecedor do título desta crónica. Recuperação na defensiva e abertura rápida para Malonga, que livre de marcação corria em direção à baliza para finalizar. Eis que o lateral Juanfran, atrasado, aparece vindo de trás, abalroando por completo o nº33 do Vitória.
Penalty (e, por inerência, expulsão do infrator) claríssimo, visível até para o mais crónico dos míopes. O grego Koukoulakis decidiu no entanto elevar a incompetência e a estupidez a outro nível e fez vista grossa a tamanha evidência… talvez seja chegada a altura de a troika dar uma folga aos cortes na saúde, não vá a enfermidade alastrar-se ao resto do povo grego!…

Porventura afetados pela injustiça desta atrocidade, a verdade é que os Conquistadores entraram mais tolhidos na segunda parte… o Bétis aproveitou e logrou mesmo o tento que vir-se-ia a revelar fatal, através de uma combinação entre Verdú e Vadillo, tendo o segundo empurrado o esférico para o fundo das malhas de Douglas. Isto com a complacência de Kanú, que já havia deixado fugir o extremo adversário por mais que uma e duas vezes…

O Vitória ressentiu-se deste golo e demorou algum tempo a reorganizar-se, antes de partir definitivamente para o forcing final na busca pelo (justo) golo do empate. Rui Vitória operou duas alterações na equipa à passagem do minuto 63´, com as entradas de André André e Nii Plange.  A partir desse instante só deu Vitória, com a agravante de a posse de bola finalmente consubstanciar-se em oportunidades líquidas de golo. E que oportunidades!…

Com 20 minutos para o final do encontro, Marco Matias aparece isolado nas costas dos defesas do Bétis, passa pelo guarda-redes e… atira ao lado! Que perdida inacreditável!
Decorridos alguns minutos, surge de novo o mesmo protagonista (ainda que desta feita vá ser recordado como o vilão) – após lance de insistência e sufoco na área dos andaluzes, o esférico cai nos pés de Marco Matias que,  já dentro da pequena área, atira por cima do travessão, isto quando tinha Leonel Olímpio em melhor posição para encostar. De levar as mãos à cabeça…

Entretanto já Rui Vitória havia lançado Tomané para o lugar do desinspirado Kanú, numa cartada bem reveladora das intenções dos Conquistadores. A pressão sobre o último terço dos espanhóis acentuou-se, mas hoje não era definitivamente o dia V. Quanto mais não fosse porque, furada a muralha bética, as tentativas Branquinhas esbarravam invariavelmente no juíz grego, o último recurso dos caseiros… De falta em faltinha, lá ia o sr. Koukoulakis dando um um empurrãozinho aos espanhóis, que perante a irreverência Vitoriana já se viam… gregos.

Com este resultado o Vitória cai para o 3º lugar do grupo I, somando 4 pontos, isto porque no outro encontro o Lyon venceu o Rijeka no Gerland pelo mesmo marcador. Não há motivos para alarme, no entanto, dado que os lugares de qualificação se encontram a escasso ponto e as próximas duas partidas a contar para a prova realizar-se-ão no D. Afonso Henriques. A primeira já no próximo dia 7 de novembro, precisamente frente a este mesmo Bétis. Excelente oportunidade para os Vitorianos se redimirem do resultado de hoje e mostrarem o porquê de serem superiores a este conjunto do país vizinho!

Ficha de jogo

Real Bétis: Andersen, Juanfran, Amaya, Perquis, Didac Vilà, Lolo Reyes, Nosa, Verdú, Chuli, Vadillo, Jorge Molina

Vitória SC: Douglas, Kanú (Tomané 81´), Paulo Oliveira, Abdoulaye Ba, Addy, Olímpio, André Santos (André André 63´),  Tiago Rodrigues, Malonga (Nii Plange 63´), Marco Matias, Fernando Russi

Golos: 1-0 Álvaro Vadillo (50´)