Corpo Ausente! Coração sempre presente!

Apesar de falar do Vitória ser sempre difícil, pois como muito bem se diz, é algo que apenas se pode sentir, vou tentar dar o meu melhor para descrever o que para mim este clube é, a mais de 2000km de distância.

Tudo começou antes de nascer. Pois bem, é verdade!

Já antes de nascer via uns joguinhos, segundo sei!

Depois de nascido em Guimarães, e criado numa família toda ela Vitoriana do lado materno, tudo indicava que eu assim como as outras gerações da minha família, não iria fugir à tradição. Sendo assim, desde pequeno sentia o que era entrar no D. Afonso Henriques e viver este clube, habituado a que as melhores prendas que alguém me pudesse dar fossem relacionadas com o Vitória.

Cedo me juntei a milhares de outros vitorianos nas bancadas e  de tenra idade já acompanhava o Vitória a alguns locais e assistindo a praticamente todos os jogos em casa. Acima de tudo despertava em mim ainda mais interesse toda uma atmosfera criada á volta de um jogo, as cores, as reacções, os momentos de alegria, os de tristeza, o cantar, o ficar pálido e sereno, os momentos de pura euforia e adrenalina, toda a ânsia por um jogo, tudo contribuiu para que muito rapidamente este apego ao Vitória, crescesse ainda mais, ficasse ainda mais forte, sendo visto por mim como uma junção perfeita.

Passados tantos anos, como será viver o Vitória de tão longe?

Estando fora da minha cidade, já há uns bons anos, fiquei também impedido de marcar presença nos jogos do nosso clube, sendo apenas algo pontual quando passo alguns dias ou semanas em Portugal. Para um imigrante, obviamente que não há melhor orgulho por estas bandas, que mostrar as nossas cores, dar a conhecer o nosso clube, e obviamente mostrar o nosso cartão de sócio com as quotas pagas e em dia, e com certeza defender as nossas cores com unhas e dentes de alguns aziados forasteiros. Deveras, toda esta vivacidade aperta quando as saudades nos diminuem o tamanho do coração. Ver um jogo por uma caixinha, mas sentirmo-nos como se estivéssemos a cheirar a relva, como se estivéssemos no estádio a apoiar, não é nada fácil. E quanta inveja eu tenho de vocês que ai estão jogo após jogo.

Há momentos em que tudo se vive mais a sério quando estamos assim longe, podem achar estranho, mas parece que ficamos mais entranhados pelos poros de Vitória, tudo se vive um pouquinho mais apaixonadamente. Dou por mim por vezes, a fazer alguns actos nada normais para quem vê um jogo de futebol no seu sofá, mas tudo isto tem uma razão, o Vitória! Quando se ama tanto uma coisa, temos a certeza que por mais distante que estivermos dela vamos a amar ainda mais, é uma chama que não morre, mas cresce dia após dia. Se bem que, tudo se reencontra em puro êxtase quando à nossa terra voltamos, quando entramos no nosso santuário. Agitar uma bandeira, gritar de pulmões cheios e firmes o que o Vitória é para mim.

A todos vocês que têm a oportunidade de o fazer, por favor, façam-no, demonstrem o quanto gostam deste clube, mais não seja, por todos nós espalhados pelo globo, que dávamos tanta coisa para o poder fazer.

E não se esqueçam, família, o Vitória não se vive uma vez à semana, mas sim, vocês sabem, todos os dias! Apenas quem é Vitoriano, percebe este sentimento de pura entrega, devoção e amor! Continuemos então a lutar para levar o Vitória a outros patamares!

Fidelidade, Amor e Saudade

AndreAdu
Londres

  Categories: