Gil Vicente-Vitória (Antevisão)

A Liga regressa este fim-de-semana, e o Vitória desloca-se este Sábado a Barcelos, para jogar mais um derby minhoto frente ao Gil Vicente.

Sem vencer há 3 partidas (contabilizando os jogos da Taça da Liga), os Conquistadores, partem à conquista dos 3 pontos, o que permitia voltar aos triunfos, e manter-se num lugar bem tranquilo na tabela classificativa, isto quando não há muitas soluções no Plantel, o que faz com que haja mais dificuldades neste mês “terrível” para o Vitória.

No Cidade de Barcelos, é de esperar um jogo muito tático, e muito equilibrado, com um resultado final que se prevê imprevisível.

Na totalidade dos confrontos, entre Gilistas e Vimaranenses para a Liga, em 15 partidas, os “Galos” venceram em 7 ocasiões, registaram-se 5 empates, e os Branquinhos lograram o triunfo em 3 ocasiões, a última das quais em 2004/05 por 1-3, com golos de Djurdjevic, Cléber e um auto-golo de Ednilson.

A partida, terá como árbitro da partida, o Setubalense Bruno Paixão, que já esta época dirigiu uma partida do Vitória, mais concretamente o jogo da Taça de Portugal entre o Marítimo e os Conquistadores, e onde realizou uma atuação positiva.

Que seja então um bom derby minhoto, que não se verifiquem casos no desafio, e que no final seja o Vitória a conseguir os 3 pontos.

Questão Técnico -Tática

No derby em Barcelos, Rui Vitória terá que fazer várias alterações no 11, isto em comparação ao último jogo em Aveiro.

Assim, no quarteto defensivo, o Técnico Vitoriano, é “obrigado” a mexer em mais de 50% da estrutura defensiva.

N´Diaye e El Adoua, que jogaram os últimos 2 jogos como centrais, já não estão em Guimarães, o que faz com que tenha que jogar uma nova dupla de centrais, parelha essa, que diga-se pode ser uma estreia esta época em jogos da Liga.

Assim, Rui Vitória, pode fazer alinhar a dupla que tem jogado na 2ª Liga, casos de Paulo Oliveira e Vítor Bastos, dupla que tem rotinas de jogo e entrosamento já adquirido desde o início da temporada. Esta parece ser, a melhor solução para a Equipa no imediato.

Outra possibilidade, passa por jogar Freire e Paulo Oliveira ou Vítor Bastos.
Freire e Paulo Oliveira (foram ensaiados mais vezes nos treinos semanais), já jogaram esta época juntos num jogo entre o Vitória B e o Portimonense da 2ª Liga, um jogo onde esta dupla se exibiu a um plano razoável (faltam rotinas).
Já no lado direito da defesa, Kanú deve estar novamente à disposição, e pode voltar a jogar como lateral direito. Podem ser portanto 3 os jogadores que ainda há bem pouco tempo jogavam na Equipa B, e que agora vão compor o setor defensivo Vitoriano.

Se Kanú não recuperar, Olímpio deve passar para lateral direito “improvisado”, e Siaka Bamba, ocupa a posição 6, em frente à defesa, obrigando ainda o Técnico a mais mexidas na estrutura.

No restante da Equipa, não haverá mais alterações por parte de Rui Vitória.
Assim, no lado esquerdo da defesa, vai continuar a jogar David Addy, e no miolo do terreno, continuará o trio constituído por Leonel Olímpio, André e Jean Barrientos.

Na zona intermediária, é preponderante, que o Vitória consiga vencer este “duelo de forças”.
André, tem que continuar a mostrar a consistência que tem vindo a apresentar (está muito mais “intenso”), e efetuar o bom transporte de bola para zonas ofensivas, neste contexto é importante que mantenha a mesma bitola exibicional.

Já Barrientos, mostra estar num bom momento de forma, ainda assim seria extremamente positivo, se o uruguaio, pudesse ser mais constante ao longo do jogo.
Há alguns momentos, onde “ausenta-se” do jogo, o que faz com que a Equipa tenha dificuldades em armar jogo e perca o controlo das operações. Se o Barrientos, conseguir estar sempre “ligado” no desafio, o Vitória tem muitas mais possibilidades de vencer este Sábado.
Já no ataque, o tridente constituído por Ricardo, Marco Matias e Baldé, vai ser novamente a linha da frente em Barcelos.

Nas faixas, Ricardo e Marco Matias estão num excelente momento de forna, pois dão velocidade, profundidade e desequilibram nos corredores, já Baldé na área, tem trabalhado muito para a Equipa, e só não tem estado feliz na finalização, prova disso foi a bola que enviou ao poste no último jogo.
Pode ser que a sorte comece a surgir já este Sábado em Barcelos, onde é preciso um Vitória de “fato-macaco”, pois o jogo vai ser de grande entrega.
Ainda assim, os Branquinhos se continuarem a fazer uma boa circulação de bola, e forem rápidos a sair nas transições ofensivas, as fragilidades defensivas do Gil Vicente vão surgir, e aí o Vitória, só tem é que ser eficaz nas oportunidades que vai dispor para finalizar.

O Gil Vicente, é um adversário, que o Vitória estando no seu melhor (apesar de muitas contrariedades), tem todas as possibilidades de vencer, e é isso que se espera que aconteça este Sábado, onde é necessário um grande apoio à Equipa, neste contexto, é de prever uma forte falange de apoio por parte dos Vitorianos, incentivando os branquinhos ao longo dos 90 minutos.

Força Vitória e Vitória Sempre!

Adversário

O Técnico Paulo Alves, coloca a sua Equipa a jogar num 1x4x3x3 (joga com um triângulo invertido no miolo), mas ao invés da última temporada, onde era uma Equipa com transições ofensivas com muita profundidade, o Gil desta época, é uma formação com dificuldades em sair para o ataque, com pouca profundidade, pois não conta esta época com jogadores como Caiçara, Hugo Vieira, Rodrigo Galo, Richard e Zé Luíz.

Esta temporada, no seu reduto, o Gil Vicente, apenas venceu por uma ocasião, mais precisamente frente ao Moreirense por 4-3, e já conta com 3 derrotas caseiras, duas das quais frente ao Paços de Ferreira e o Beira-Mar.

Pontos Fortes
* Adriano na baliza, é dos melhores a atuar na Liga, e dá segurança à Equipa.
* A nível defensivo, o brasileiro e experiente central Cláudio, é o líder da defesa. A seu lado joga o jovem cabo-verdiano Pecks (e veloz e forte no jogo aéreo).
* No miolo do terreno, Luís Manuel na posição 6, é um jogador de grande entrega e recupera muitas bolas, André Cunha (continua a tratar bem a bola e é ainda o melhor médio do plantel) e Pio (brasileiro de bom toque de bola e capaz de assumir o jogo ofensivo), formam o trio na zona nevrálgica.
* Na frente de ataque, Luís Carlos (é um velocista e agita o ataque), Pedro Pereira (forte no 1×1 e também rápido), e Yero (é possante e forte no jogo aéreo), formarão a linha atacante.
* Nas bolas paradas ofensivas, Pio bate as bolas, e é necessária atenção, ao jogo aéreo do Pecks (aparece ao 2º poste), Cláudio (surge bem ao primeiro poste), André Cunha (surge na zona do penalty) e Yero (está muitas vezes nas costas do Claúdio).

Pontos Fracos
* Na defesa, o Gil Vicente, tem muitas dificuldades nas laterais, com Éder à direita a mostrar debilidades defensivas (gosta de subir no terreno, e descura as tarefas defensivas, dando muitos espaços atrás), e João Pedro na esquerda (é um lateral com pouca velocidade, sentido portanto muitas dificuldades quando tem pela frente um ala rápido, que tenha boa capacidade técnica, e que faça muitas diagonais para a zona central). No eixo da defesa, Cláudio já tem pouca velocidade, e tem dificuldades com bolas nas costas, e em dobrar o lateral esquerdo, e Pecks é ainda inexperiente e “ingénuo” na abordagem a alguns lances (principalmente nas antecipações).
* No miolo do terreno, não há muitas soluções para Paulo Alves (César Peixoto não tem jogado muito, e agora regressou João Vilela a Barcelos), e a Equipa esta época, tem sentido muitas dificuldades na construção de jogo, e tem denotado pouca consistência a meio-campo.
* No ataque, a Equipa tem também sentido muitas dificuldades, pois Yero tem sido apenas o único avançado que tem praticamente sido utilizado nas últimas rondas, pois Ramazotti e Leonardo já rescindiram.
* Nas bolas paradas defensivas (defende com todos os jogadores), o Gil Vicente já sofreu vários golos através de cantos e livres laterais, com a Equipa a ter dificuldades na zona central e no segundo poste (sofreu assim golos frente ao Olhanense e Académica), havendo nestas zonas falhas de marcação, e que fazem abrir brechas na defensiva gilista.