Gil Vicente x Vitória [ANTEVISÃO]

600

O Vitória fará este domingo uma curta viagem até Barcelos para disputar a 9ª jornada do campeonato frente ao clube local, o Gil Vicente. Este encontro terá início pelas 17h45 e será transmitido em direto pela Sport tv 1. Apesar de tudo e como já seria de esperar, mais de 1 milhar de adeptos vitorianos preferirão as bancadas do Estádio Municipal de Barcelos ao sofá, onde mais uma vez irão demonstrar a sua força a todo o país e empurrarão os Conquistadores rumo à vitória.

O adversário

Começo esta antevisão por fazer uma abordagem geral àquele que separa o Vitória de mais uma conquista de 3 pontos. O Gil Vicente está nesta altura classificado numa impressionante 5ª posição, com mais um ponto somado que a equipa de Rui Vitória. Os “Galos”, como são conhecido, repetem nesta altura a melhor época de sempre da história do clube. O técnico João de Deus quererá, portanto, prolongar este estado de graça e levar a melhor amanhã no derby entre equipas minhotas.

A excelente performance no campeonato tem sido devida, sobretudo, às exemplares prestações da equipa nos jogos em casa. Os gilistas somam 3 vitórias e 1 empate nas partidas disputadas no Municipal de Barcelos, a que acrescem os triunfos sobre o Caldas para a Taça de Portugal e face ao Moreirense na Taça da Liga.
À imagem da formação de Guimarães, este Gil é uma equipa que vale sobretudo pela sua excelente consistência defensiva, aliada a uma metódica organização tática. A par do Vitória, os Galos levam a 5ª melhor defesa da Liga à partida para esta jornada.

A base deste prolífero desempenho na retaguarda assenta sobretudo no guardião Adriano Facchini, um dos melhores a atuar em Portugal. O quarteto defensivo é depois constituído pela experiente dupla Halisson – Danielson, complementada de quando em vez pela jovem promessa Pek´s.  Na direita o ex- Penafiel Gabriel tem comprovado as boas impressões que havia deixado na II Liga e é já um indiscutível no esquema de João de Deus. No flanco canhoto o capitão dos sub-21 Luís Martins é já um posto, apesar da tenra idade.

No meio-campo o técnico gilista opta pela mesma receita e mantém uma base de 4 jogadores para 3 posições. Luan agarrou definitivamente a posição mais recuada do triângulo invertido, uma das principais carências da equipa na época passada. O tridente do meio-campo fica depois completo com o capitão e jogador-chave João Vilela, um verdadeiro carrasco para o Vitória. O box-to-box português sempre foi um ativo de qualidade, embora esta nunca lhe tenha sido reconhecida devidamente a sua valia (o típico jogador underrated). Por fim tem havido uma certa rotação entre a velha raposa do futebol português, César Peixoto, e o jovem talento ex-Portimonense Vítor Gonçalves. A estes dois cabe a função de criativo e de rotação do jogo do Gil, com lançamentos verticais para os flancos onde surgem o georgiano Avto e a estrela da equipa, o desequilibrador Diogo Viana.
O extremo ex- Porto tem aproveitado esta oportunidade que lhe foi concedida para revitalizar a carreira e tem arrancado exibições de encher o olho, atraindo inclusive o interesse de clubes estrangeiros. Pedro Correia ou Addy não lhe poderão dar uma nesga de espaço, sob pena de numa das suas rápidas diagonais causar estragos.
Por fim, e após a lesão grave de Bruno Moraes (mais uma…), o jovem Paulinho respondeu afirmativamente à chamada de João de Deus e coroou a titularidade com dois golos no último desafio ante o Moreirense. O “pinheiro” Simy deverá começar no banco.

 O Vitória

Do lado dos Conquistadores da Cidade Berço o enfoque deve ser dado aos regressos de Nii Plange e sobretudo de Moussa Maazou. O goleador nigerino, peça fundamental para a equipa, está de volta à lista de convocados após mais de 3 semanas de paragem por lesão. No sentido inverso, Rui Vitória não poderá contar com Abdoulaye e Malonga, ambos lesionados, sendo que o segundo a longo prazo.

Neste sentido, em relação à ultima jornada (vitória por 3-1 em Paços de Ferreira), devem registar-se apenas duas alterações no onze inicial. Chris Malonga, afastado por lesão, deverá ceder o lugar a Barrientos, enquanto que o jovem Tomané, apesar da boa exibição, cederá o lugar recém-regressado Maazou.

865352_Vitoria_Sport_Club

É, portanto, um Vitória cada vez mais consolidado após as profundas alterações no plantel de última hora. Os reforços já estão integrados na equipa e já assimilaram as rotinas de jogo, pelo que Rui Vitória tem estabilizado finalmente uma base de 15/16 jogadores, que se vai alterando conforme situações pontuais como lesões ou castigos.
Para esta partida o objetivo passará invariavelmente pela conquista dos 3 pontos, num terreno onde historicamente o Vitória até não se tem dado bem. O último triunfo data de 2005, por um resultado de 1-3. Na temporada passada as duas formações anularam-se num taxativo 0-0, que atesta bem das dificuldades que o Vitória apresenta quando se desloca a Barcelos.

Por tudo o que já foi apresentado é de esperar que o duelo de amanhã se paute pelo equilíbrio, onde as defesas normalmente se costumam sair melhores que o ataque. Desta batalha tática só poderá sair vencedora a equipa que cometer menos erros e explorar melhor os lapsos cometidos pelo adversário. É, portanto, imperioso manter a concentração durante os 90 minutos e ser agressivo sobre a bola, fechando espaços ao adversário e cortando a principal fonte de alimentação do Gil Vicente – os extremos. Para isso será necessário preencher bem os espaços a meio-campo, para impedir que os centro-campistas gilistas lancem bolas para os flancos e apareçam perto da área para finalizar.
Em Paços de Ferreira uma falha de marcação gritante à entrada da área resultou em golo para os pacenses, o que a acontecer neste jogo poderá tornar-se irremediável.

Em sentido contrário, o Vitória terá que tirar o máximo partido da irreverência do trio da frente. Maazou estará de volta mais forte que nunca e pronto a dar o seu contributo com trabalho de equipa e golos. No flanco canhoto, Jean Pierre Barrientos está a viver a melhor fase de sempre com a camisola do Rei ao peito (4 assistências, sempre a partir do banco), à imagem de Marco Matias, que firma-se como o melhor marcador da equipa no campeonato e é cada vez mais uma ameaça com as suas excelentes diagonais.
Municiados por um Tiago Rodrigues em crescendo de forma e por um sempre consistente e intenso André Santos, o trio de ataque dos Branquinhos terá um papel determinante no desenrolar da partida. A defesa do Gil Vicente não é propriamente rápida, algo que poderá e deverá ser explorado.

Concluindo, será de esperar um jogo equilibrado amanhã em Barcelos, sina de boa parte dos jogos da Liga Portuguesa. Caberá ao Vitória manter a bitola no seu jogo coletivo, o que é meio caminho andado para vencer jogos que se decidem no pormenor. Ainda assim, a maior qualidade individual dos Conquistadores (facto inegável) também poderá fazer a diferença, e catapultar o Vitória para o topo da tabela (o 4º lugar está tão próximo…).
Vamos acreditar na equipa e deslocar-mo-nos ao estádio para apoiar estes jogadores que tanto orgulho nos dão e tudo merecem da nossa parte. Sempre com os pés bem assentes mas conscientes que o céu é o limite…

Força Vitória!

  Categories: