Jogo desastrado dita derrota

A derrota deste fim de tarde de domingo tem um peso muito significativo já que praticamente deixa o Vitória fora da luta pelo segundo lugar. Em seis dias o Vitória deita por terra as aspirações que possuía em conquistar títulos esta época.

A entrada em jogo por parte do Vitória foi completamente desacertada. Com 0-4 no placard já Nuno Coelho gastava um tempo. Certo é que tal atitude não trouxe efeitos práticos ao nível do resultado. No primeiro tempo técnico o marcador registava 3-8. Com 4-12 o Vitória requisitou outro tempo porém a toada manteve-se. No segundo tempo técnico tinhamos nove(!!) pontos de diferença favoráveis ao Castêlo da Maia (7-16). Durante todo o primeiro set o Vitória foi incapaz de contrariar a forte entrada da equipa contrária. A equipa de Pedro Rui esteve em bom nível na receção e no ataque. Do outro lado à equipa branquinha faltava eficácia no ataque, não estava acertado e sem ações de bloco capazes para parar os ataques da formação maiata. Em apenas 21 minutos Pedro Azenha e companheiros triunfaram por 12-25.

O segundo set começou com um Vitória diferente para melhor. Com acerto em todos as facetas de jogo a equipa de Nuno Coelho chegou ao primeiro tempo técnico a liderar por três pontos: 8-5. A partir daqui o jogo ficou mais equilibrado e no segundo tempo técnico a vantagem ainda era vitoriana: 16-14. O regresso ao jogo após esta paragem foi traiçoeiro para o Vitória. Passou-se de um 16-14 a um 16-17 e a tendência de jogo modificou-se. O Castêlo passou a estar na frente do marcador. No final deste set Pedro Rui pausou várias vezes o jogo com substituições o que permitiu à sua equipa respirar em determinados momentos. Apesar de um Vitória mais afoito e com melhor qualidade no seu jogo tal não foi suficiente para vencer o parcial. Derrota vimaranense por 22-25.

Com menos público na bancada do que é costume se bem que cerca de 10 adeptos forasteiros marcaram presença tendo sido bastante interventivos no apoio à sua equipa iniciou-se o terceiro set. Novamente a equipa vitoriana mostrou-se desastrada. A equipa branquinha ofereceu três pontos seguidos ao adversário com falhas na receção ao serviço maiato. Assim os cinco pontos de desvantagem no placard à passagem do primeiro tempo técnico(3-8) soavam a irreversíveis. Assim se verificou. Aos 7-14 o tempo pedido por Nuno Coelho surtiu efeito e a desvantagem foi encurtada, 12-16 no segundo tempo técnico. Acabou por ser apenas um fogacho já que o Castêlo assumiu totalmente o jogo e o controlou até ao final do parcial e por consequência do encontro. Terceiro e último pacial com 18-25 disputado em 25 minutos. No Castêlo destacaram-se os suspeitos do costume: Lucas Gregoret, Pedro Azenha e Filipe Cruz, embalaram a equipa para um triunfo saboroso. Este resultado permite à equipa do Castêlo da Maia aspirar ao segundo lugar, vai rececionar o Fonte Bastardo no próximo sábado.

Por seu turno o Vitória tem agora duas deslocações, respetivamente, a Lisboa e Espinho. Estas últimas duas derrotas mostraram uma equipa sem chama e força suficientes para o que resta da época. Resta apelar ao orgulho dos jogadores e pedir que façam o seu máximo para dignificar a camisola que envergam.

 

Resultados

Benfica – Espinho: 3-0 (25-20 ; 29-27 e 25-16)
Fonte Bastardo – Leixões: 3-0 (25-21 ; 25-18 e 25-15)

Vitória – Castêlo da Maia: 0-3 (12-25 ; 22-25 e 18-25)

Classificação Todas as equipas com 5 jogos disputados
1º – Benfica: 14 pontos
2º – Fonte Bastardo: 11 pontos
3º – Castêlo da Maia: 8 pontos

4º – Vitória: 6 pontos
5º – Sporting de Espinho: 6 pontos

6º – Leixões:  0 pontos

 

  Categories: