Jorge Coroado

Depois de publicado hoje no jornal O Jogo, o artigo de opinião escrito pelo Sr. Jorge Coroado (transcrito em baixo), em que literalmente ofende as gentes de Guimarães, esta Associação remeteu-lhe a seguinte carta:

Exmo Senhor Jorge Coroado

Antes de mais, os nossos mais respeitosos cumprimentos.

Sendo leitores habituais da sua coluna de opinião, no Jornal O Jogo, convirá referir que, apesar de nem sempre, existir plena concordância com a sua opinião, a mesma sempre foi olhada com o máximo respeito. Afinal, apesar de todas as acusações que V. Ex.a sempre foi alvo, sempre o vimos como um modelo de isenção, rectidão e justiça.

Ora, essa ideia, existiu até hoje, dia que V. Ex.a resolveu lançar um feroz ataque às gentes de Guimarães, sem que nada o fizesse prever.

Efectivamente, conotar a cidade de Guimarães, como o berço do desleixo, da irresponsabilidade e desrespeito pelas regras de autoridade é um ataque cego, insano e faccioso a uma cidade que é milenar, se orgulha do seu passado, mas acima de tudo projecta o futuro… caso, V. Ex.a não saiba irá ser Capital Europeia da Cultura em 2012, evento para o qual a Associação VitóriaSempre tem todo o gosto em convidá-lo, e é Património Histórico Mundial da Unesco…

Verá que se trata de uma cidade de gente humilde e trabalhadora, que tem um forte apego às suas raízes e ao que é seu… verá que na sua cidade o desrespeito é bem maior…. e very-lights, isso sim o símbolo mais insidioso da violência no futebol, são praias de outros… Mas, isso, V. Ex.a e outros olvidam, preferindo apodar de insurrectos quem sempre procurou engrandecer o desporto rei.

Ademais, ofende um dos brocardos mais importantes da nossa história… lá que V. Ex.a não seja patriota, isso é lá consigo… lá que preferisse ser castelhano, ou extremeño é lá consigo… agora, aproveitar-se de um dos espaços da nossa história para dizer que descendemos de Afonso que deu uma bofetada na mãe, demonstra uma de duas coisas: ou tem má-fé ou nunca teve grandes notas na disciplina de História.

Assim sendo, gostava que nos dissesse onde estudou isso?? Sucedeu, sim, uma batalha em que o Rei Afonso combateu sua mãe, que havia traído os desígnios do filho em ser independente, e enamorado-se por um nobre galego… Ora, se para V. Ex.a é indiferente ser português ou espanhol, graças ao espírito desse homem somos patriotas, abnegados e perseverantes… e decerto é por isso que somos alvo de tantas maldicências e invídias.

Deste modo, solicitamos a V. Ex.a que se retracte publicamente de tão infelizes declarações, de modo a podermos considerá-lo novamente um exemplo de isenção.pois, caso contrário será visto como mais um que se acobardou ao sistema e preferiu viver de joelhos, em vez de manter a coluna vertebral sempre direita.

Sem mais de momento,

Associação VitóriaSempre



PS. Em resposta ao artigo de opinião publicado na sua coluna no jornal o jogo no dia 16 de Novembro de 2010, que transcrevemos abaixo:

João Ferreira não serve para jogos de alto risco

Na Cidade-Berço do muito português hábito pelo desleixo, irresponsabilidade e desrespeito por regras e autoridade começado na bofetada que o filho deu na mãe, João Ferreira mais uma vez mostrou não ser talhado para jogos de elevado risco, rivalidades extremas e cobertura mediática acima da média. Foi notório no seu fácies o receio que tinha do que pudesse suceder. As notícias de o comércio local ter esgotado bolas de golfe, artefacto que marca a actual estúpida moda de as claques fazerem notar presença nos recintos desportivos, associadas à interiorização excessiva da rivalidade entre os dois emblemas, condicionaram-lhe as decisões e a abordagem efectuada. Sendo verdade o divulgado pelo presidente do Braga de ter manifestado a intenção de acabar com o jogo caso sucedesse arremesso daquelas bolas para o recinto, revela medo e demonstra exorbitância. No jogo, procurou exercer domínio atrasando intervenção disciplinar, para depois não saber ser rigoroso, não patentear critério. Se atraiçoado por Luís Ramos, árbitro assistente, na jogada do golo do Braga, ele próprio não revelou lucidez no lance de João Paulo sobre Matheus. Faltam-lhe duas épocas para terminar a carreira; façam-lhe o favor de não o nomear para jogos de alto risco.

  Categories: