Leiria-Vitória (Antevisão)

Questão Técnico – Tática

A Liga está de regresso, e este Domingo, os Branquinhos deslocam-se à Marinha Grande, para medir forças com a “aflita” União de Leiria, treinada pelo antigo Treinador Vitoriano Manuel Cajuda.

Será uma partida, onde o Vitória, tentará o 4º triunfo consecutivo na Liga e dessa forma continuar a galgar posições na tabela classificativa.

Na Marinha Grande, é provável que Rui Vitória, continue a apostar no 1x4x4x2 (esteticamente o futebol apresentado está longe de ser bonito, mas o que é certo é que o Vitória tem ganho as partidas e isso é o mais importante neste momento), que tem apresentando nas últimos jogos.

Ainda assim, para este jogo frente aos Leirienses e em comparação ao último jogo ante o Setúbal, Rui Vitória, é forçado a fazer uma alteração, devido ao castigo do central João Paulo. Para o seu lugar, o escolhido deve ser El Adoua (falta-lhe velocidade para jogar como central, porém Freire e Defendi, não dão garantias) que assim sendo recua para o eixo da defesa, abrindo uma vaga no meio-campo (que será disputada por Olímpio, João Alves, ou até quem sabe uma surpresa chamada Paulo Sérgio, que pode ser chamado a compor o losango na zona intermediária).

No losango do miolo do terreno, é necessário que Pedro Mendes, se continue a assumir como o patrão à frente da defesa, e que Nuno Assis, jogue no vértice mais adiantado, (jogando como médio-ala-direito, como o fez na 1ªparte frente ao Setúbal, o jogo ofensivo Vitoriano perde qualidade e o rato atómico rende menos).

Jogando Barrientos no lado direito do losango (fê-lo na 2ª parte com os Sadinos), ao invés de Assis, a Equipa fica a ganhar com essa alteração.

Depois pode surgir então, a surpresa Paulo Sérgio (jogando no lado esquerdo do meio-campo, tentando utilizar a sua velocidade, boa capacidade técnica e tentando dar profundidade no lado canhoto do meio-campo). Com a entrada de Paulo Sérgio, o miolo do terreno, pode ficar muito ofensivo e um pouco desguarnecido a nível defensivo, nesse contexto, é bastante provável que Rui Vitória, possa fazer alinhar um médio mais de contenção, sendo Olímpio ou João Alves as escolhas mais óbvias, ainda que ambos, não estejam nos seus melhores momentos de forma.

Na frente continuarão Toscano (tentado fazer as diagonais para o eixo do ataque), e Edgar (o brasileiro tem trabalhado imenso em prol da equipa e é preponderante no atual Vitória).

Adversário

A União de Leiria, está na zona aflitiva da tabela classificativa e nos jogos realizados na Marinha Grande, conseguiu 2 triunfos (frente ao Braga e Setúbal), ambos após a entrada da “velha raposa” Manuel Cajuda ao leme da formação do Lis.

Manuel Cajuda, mantêm-se fiel ao sistema tático, que sempre adopta nas suas equipas, no caso o 1x4x2x3x1, que pode transformar-se por vezes num 1x4x4x2, com Terroso a recuar para o meio campo, e Jó a jogar junto a Djaniny na frente de ataque.

Este Leiria, tenta defender bem (com 2 linhas baixas) e partir rápido para as transições ofensivas, pois tentando jogar em ataque continuado, ou assumindo as rédeas do jogo, sente muitas dificuldades para se impor.

Na baliza Leiriense, estará Gottardi (guarda-redes de qualidade, e forte a sair dos postes).

No lado direito da defesa, joga o jovem Ivo Pinto (lateral que se incorpora bem nas acções ofensivas, mas débil a defender, fechando mal a zona interior).

No eixo da defesa, jogam Edson (brasileiro forte na marcação e bom jogo aéreo, mas duro de rins), e Erichot (central camaronês, com grande estampa física, mas ainda inexperiente nas andanças da Liga).

No lado esquerdo da defesa, e já sem o até agora titular Maykon, jogara Patrick (sobe bem no terreno, mas é frágil a nível defensivo, dando muitos espaços nas costas).

No miolo do terreno, jogara uma dupla de pivôs defensivos, constituída por Manuel Curto (boa qualidade de passe, mas pouco agressivo para jogar como médio defensivo) e Marcos Paulo (brasileiro aguerrido e com boa qualidade técnica).

Como médio organizador, joga o brasileiro Elvis (capacidade técnica acima da média e capaz de desequilibrar no último terço do terreno).

Nas alas, jogam Tiago Terroso na esquerda (o canhoto ex-Varzim, tem boa qualidade no cruzamento, e nunca vira a cara à luta), e na direita joga Jó (brasileiro baixinho, forte no 1×1 e muito rápido).

A referência na área, é o jovem Cabo-Verdiano Djaniny (avançado possante, mas com excelente qualidade técnica, e felino na zona do golo, este jogador que jogava nos distritais dos Açores, e que terá um futuro promissor).

No banco, atenção a Luís Leal (extremo rápido, que vai para cima do defesa, e com um remate muito forte de meia distância), e Bruno Moraes (as lesões não o permitiram ter uma grande carreira, mas ainda é um avançado que conta com um bom jogo aéreo).

Os Branquinhos, tentarão alcançar o 4º triunfo consecutivo na casa do Leiria (foi assim em 2008,2010 e 2011, sempre pela margem mínima o 0-1).

Na Marinha Grande, terão o apoio de mais de meio milhar de Vitorianos, que apoiarão a Equipa do primeiro ao último minuto.

Força Vitória e Vitória Sempre!

  Categories: