Maritimo – Vitória (Antevisão)

Questão Técnico – Tática

Após o frustrante empate no clássico minhoto, o Vitória, tem este Domingo uma deslocação à Pêrola do Atlântico, para defrontar o Marítimo.

Perspectiva-se um jogo complicado para o Vitória, pois os Insulares, estão a fazer um inicio de época bem conseguido, e jogando em casa, são sempre uma formação difícil de bater.

Depois dos 2 primeiros jogos como Treinador do Vitória, e onde Rui Vitória explanou bem a Equipa, e os branquinhos apresentaram bom futebol, na última partida, visualizou-se um Vitória, com muitas cautelas defensivas, não se percebendo o porque de tanto receio ao adversário, pois jogava em casa, e contava com o forte apoio dos Vitorianos.

É necessário então, que os Conquistadores tenham no Funchal, outra atitude e ousadia, pois só assim, será possível regressar aos triunfos.

No que diz respeito à formação inicial, Rui Vitória, não deve promover alterações no 11, que jogou de inicio na última jornada.

É de crer que o Técnico Vitoriano, continue a apostar em Freire no eixo da defesa, apesar de o brasileiro, tal como N’Diaye, cometer erros que custam caro (golo do adversário na última jornada, é prova disso mesmo).
No miolo do terreno, e voltando a não poder contar com Pedro Mendes, Leonel Olímpio (continua muito faltoso, e a errar muitos passes), deve continuar no meio campo, fazendo parelha com El Adoua.

Nas alas, apesar de Toscano (parece não estar bem fisicamente), e Faouzi (tem que definir muito melhor o último passe), não estarem em boa forma, devem continuar a merecer a confiança do Técnico, até porque Paulo Sérgio e Urreta estão lesionados, Maranhão vem de uma lesão, e Targino, mostra também não estar no seu melhor momento.

Ainda assim, Rui Vitória, pode alterar o dispositivo tático, fazendo entrar Barrientos (o Uruguaio, pode fazer uma excelente dupla com Nuno Assis, ganhando o meio campo, maior organização, técnica e virtuosismo), para a saída de Faouzi, passando o Vitória a jogar num 1x4x4x2 (não é um sistema muito apreciado pelo novo timoneiro), com Toscano, ou Soudani (é rápido, ágil, tecnicista, e merece mais oportunidades) a jogar na frente com Edgar.

Serão dúvidas, para puder dissipar bem perto da hora do jogo.

Importante, será regressar aos triunfos, pois ganhando, recupera 3 pontos a um candidato Europeu, aproxima-se dos lugares cimeiros, e esse factor, transmitirá mais confiança e motivação, para os próximos jogos dos Branquinhos!

Adversário

O Marítimo, está a fazer um excelente inicio de época, estando neste momento em lugar europeu.

Apesar da saída de bons jogadores (Djalma e Klebér), a formação Insular, tem sido uma das boas equipas neste inicio de temporada, tentando sempre discutir o jogo pelo jogo.

Pedro Martins, continua ao leme dos Marítimistas (tem apostado em jogadores que orientou na Equipa B), e esta época tem apostado num sistema tático, assente num 1x4x3x3, que pode, desdobrar-se num 1x4x4x2 (Danilo Dias sai da faixa direita, passando para a posição 10, jogando Sami e Baba na frente).

Na baliza, joga o experiente Peçanha (sente dificuldades na saída dos postes).

Na direita da defesa, joga o experiente Briguel (lateral eficiente, que acima de tudo, tenta defender bem).

A dupla de centrais é constituída por Robson (forte na marcação e no jogo aéreo, mas lento), e o Francês Roberge (canhoto, com bom sentido posicional, mas duro de rins).

Na esquerda joga, o jovem Rúben Ferreira (internacional sub-21, é rápido, sobe bem no terreno, é agressivo, mas ainda é inexperiente, e dá espaços a nível defensivo).

Na zona intermediária, jogam 3 médios brasileiros, que são no fundo 3 médios de combate. Em frente á defesa joga Roberto Sousa (possante, recupera muitas bolas, e com boa meia distância), Rafael Miranda (médio de transição, com excelente qualidade de passe, e que joga de cabeça levantada), e Olberdam (canhoto muito aguerrido e com bom disciplina tática).

Na frente, à direita joga Danilo Dias (muito dotado tecnicamente, abre espaços no último terço do terreno).

Na esquerda, joga Sami (muito rápido, tecnicista, faz muitas vezes diagonais da esquerda para o centro).

A referência na área, é o Senegalês Baba (grande inicio de época, com 5 golos em 3 partidas, deste avançado alto, esguio, e que em Janeiro, deve rumar ao Celtic de Glasgow).

Nas bolas paradas, nota-se que há trabalho de casa, com Robson, Rafael Miranda, e Baba, a serem muito perigosos no jogo aéreo, pois atacam bem a bola, sobretudo no 1º poste.

É necessária, muita atenção a este factor, pois o Vitória tem comprometido nas bolas paradas, situação que cada vez mais, tem influência no futebol atual.

Após 5 épocas consecutivas a ganhar na Madeira, o Vitória o ano passado perdeu, mas espera-se este ano, que volte a vencer no remodelado Caldeirão dos Barreiros.

Força Vitória e Vitória Sempre!

  Categories: