Merelim 0 – Vitória 2

Em frente…

O Vitória saiu vitorioso dos quartos de final da Taça de Portugal, frente ao Merelim…

Como já vem sendo habitual nos jogos do Vitória, a entrada no jogo foi muito fraco na zona do meio campo, onde se continuam a perder bolas infantilmente, bem como uma defesa muito facilitadora, que permitiu a espaços, que a equipa adversária se aventurasse na tentativa de bater Nilson.

O Vitória, até à meia hora de jogo pouco incomodou o guardião adversário, pois apenas se conseguia aproximar da baliza contrária através de cruzamentos (facilmente anulados), ou então dos remates de meia distância, sem efeito.

Até que à passagem da meia hora de jogo, excelente cruzamento de Alex na direita de ataque, para a entrada da pequena área, onde aparece Edgar a ganhar vantagem sobre o defensor, e a cabecear para o fundo das malhas e a abrir o activo… Fazendo o trabalho que um ponta de lança deve fazer…

Depois do golo, a atitude Vitoriana foi diferente da dos últimos jogos, e ao contrário do habitual defender do resultado, o Vitória foi para cima do Merelim, e tentou aumentar a diferença no marcador. Esse fulgor atacante dos últimos quinze minutos surtiu efeito mesmo no cair do pano. Canto na direita para Jorge Ribeiro, batido à maneira curta, Toscano ao primeiro poste desvia de cabeça, e Cléber sozinho ao segundo poste só tem que encostar o pé, para violar pela segunda e última vez na noite a baliza adversária.

Depois do descanso, o Vitória voltou à realidade dos últimos jogos, muita passividade defensiva e com um ritmo de jogo bastante baixo. Esta falta de ritmo dava mais ânimo aos contrários, que sabiam que ao reduzir a desvantagem poderiam ainda sonhar com o prolongamento, e correram atrás do prejuízo, mas sempre sem grandes resultados práticos.

O Vitória sim, durante toda a segunda parte tudo fez para sofrer um golo, mas não conseguiu… Constantes perdas de bola na zona defensiva e de meio campo, brincadeirinhas infantis nas trocas de bola e fintas fáceis aos adversários, que podiam ter saído muito caras.

Durante o segundo período de jogo, o Vitória dispôs apenas de duas boas ocasiões de golo, a primeira por intermédio de Jorge Ribeiro, que viu a bola a ser devolvida pela barra e depois por Maranhão, que viu o guarda-redes adversário a defender um portentoso remate á entrada da área.

O Vitória saberá amanhã qual será o adversário da meia-final da Taça, depois do jogo que irá opor o Coimbra e o Bonfim… Enquanto já sabemos quais serão os outros dois candidatos à Final, o Campanhã e o Lisboa…

Para finalizar, uma palavra para as várias centenas de adeptos Vitorianos que incansavelmente apoiaram e puxaram pelo Vitória num dos dois estádios municipais da terra para lá da Morreira…