Nova Derrota Caseira [Vitória 0-3 Castêlo Maia]

Este sábado o Vitória defrontou o Castêlo da Maia, que chegou a Guimarães com duas derrotas em dois encontros. Na expetativa, um triunfo vitoriano frente a uma equipa valiosa porém tal não aconteceria…

A expetativa da estreia do oposto brasileiro Cristiano Ferreira confirmou-se, o jogador fez parte da formação inicial. O sacrificado foi Ivan Walter comparativamente ao outro encontro intramuros. Este último reforço não justificou a aposta, já que rubricou uma exibição negativa. No Castêlo da Maia foi notada a ausência do lesionado Ivo Casas. O seu posto foi ocupado pelo conhecido José Pedrosa recém chegado à equipa maiata.

Mais uma vez o equilíbrio foi a nota de destaque. Em muitos momentos do jogo, ambas as formações estiveram separadas por margens reduzidas de 2/3 pontos.

No primeiro parcial o Castêlo da Maia teve uma entrada com mais acerto, o que permitiu-lhe ter uma vantagem de 2 pontos. No primeiro tempo técnico o marcador estava em 6-8. Apesar do Vitória ter conseguido igualar a 14-14 no segundo tempo técnico tínhamos um 14-16. Com 15-19, um tempo pedido pelo Vitória surtiu efeito e a equipa branquinha recuperou a desvantagem. Com 21-21, a incerteza pairou e o set poderia ir a favor de qualquer uma das equipas. Contudo foi favorável à equipa forasteira por 23-25.

O segundo parcial teve um início bem diferente, com um claro domínio vimaranense. No primeiro tempo técnico a diferença pontal era de 4 pontos (8-4). A maior diferença foram 5 pontos favoráveis ao Vitória (10-5). A equipa de Luis Resende jogava melhor e era superior. Foi então que o bloco do Castêlo da Maia mostrou eficácia e a equipa de Pedro Rui atenuou a desvantagem para um ponto. No segundo tempo técnico: 16-15. A equipa forasteira volta a equilibrar o parcial. Apesar do Vitória ter tido 3 oportunidades de fechar a seu favor, foi o Castêlo que conseguiu triunfar ao primeiro ponto de set a seu favor por 24-26. A incapacidade da equipa vitoriana na fase final foi deveras estranha… Os bons apontamentos de Rui Santos e Gilson França não tiveram expressão positiva no desfecho do parcial.

No terceiro e último parcial os branquinhos voltaram a estar na liderança. No 2º tempo técnico vantagem de 3 pontos (16-13). O jogo estava à feição da equipa da casa e o triunfo no set parecia que iria acontecer. Com 20-16 tal parecia uma certeza contudo com alguns erros e uma quebra anímica atípica por parte dos pupilos de Luis Resende a equipa fraquejou. Os atletas comandados por Pedro Rui aproveitaram muito bem tal situação e reverteram novamente a seu favor triunfando pela margem mínima (23-25).

Tal como no encontro frente à Fonte do Bastardo, também neste sábado o Vitória demonstrou bastante falta de tranquilidade e nervo nas partes finais de todos os sets. Falta de entrosamento, bem como alguma falta de atenção notaram-se neste último encontro. Há muito trabalho pela frente para este plantel. Não só a nível técnico mas também a nível psicológico…

Jogos de Sábado – 3ª jornada:

Vitória – Castêlo da Maia: 0-3 (23-25 ; 24-26 e 23-25)

Benfica – Leixões: 3-0 (25-23 ; 25-16 e 25-12)

Caldas – Sporting de Espinho: 0-3 (15-25 ; 15-25 e 22-25)

Machico – Marítimo: 1-3 (20-25 ; 25-23 ; 19-25 e 16-25)

Fonte do Bastardo – Académica de Espinho: 3-1 (20-25 ; 25-22 ; 25-23 e 25-19)

Esmoriz – Vilacondense: 0-3 (17-25 ; 18-25 e 11-25)

Classificação:

1º – Benfica: 3 jogos / 9 pontos
2º – Sporting de Espinho: 3 / 9
3º – Fonte do Bastardo: 3 / 9
4º – Leixões: 3 / 6
5º – Ginásio Vilacondense: 3 / 6
6º – Académica de Espinho: 3 / 3
7º – Castêlo da Maia: 3 / 3
8º – Vitória: 3 / 3
9º – Caldas: 3 / 3
10º – Marítimo: 3 / 3
11º – Machico: 3 / 0
12º – Esmoriz: 3 / 0

[Classificação atualizada a 21 de Outubro pelo dados do site da FPV]

*Edgar Silva escreve de acordo com as leis do novo acordo ortográfico