Porto-Vitória (Antevisão)

Questão Técnico – Tática

Este Domingo, há jogo grande, com o Vitória a deslocar-se ao Dragão para jogar com o Porto.

Com 2 triunfos nas últimas duas partidas para a Liga, os Branquinhos, pretendem dar sequência à retoma que tem feito, e que o colocam na luta por um lugar europeu.

Para esta partida, e em comparação ao último jogo frente a Académica, não são esperadas alterações no 11, por parte de Rui Vitória, que deve manter a mesma equipa que fez um jogo bem conseguido em Terras do Mondego.

Assim, no sector defensivo, Freire (fez uma partida regular, mas o débil jogo aéreo que possui, para um defesa central, é uma situação grave, e que tem que ser melhorada) continuará no eixo da defesa, fazendo parelha com João Paulo.

No lado canhoto, Anderson Santana (fez um jogaço em Coimbra, e aproveitou o castigo de Bruno Teles, que curiosamente, se tivesse disponível ia ser titular), vai manter a titularidade, sendo necessário, que a nível defensivo, não permita veleidades a James.

Na zona intermediária, Leonel Olímpio (foi fundamental em Coimbra, pois as suas características, adequavam-se ao terreno pesado que o Vitória encontrou na partida), deverá manter a titularidade, ainda que Pedro Mendes (pela sua experiência, e qualidade de passe que traz ao meio-campo, possa também ser chamado ao 11).

Ainda na zona nevrálgica do terreno, El Adoua, mantêm-se intocável, e o Marroquino, pelas suas características, será o jogador encarregue de fazer a marcação a Moutinho (marca os ritmos de jogo da equipa azul).

Nas alas, sobretudo à direita, é muito importante, que Paulo Sérgio (pela sua velocidade, será o jogador encarregue, de acompanhar as fortes investidas de Álvaro Pereira), ajude Alex a fechar o corredor direito Vitoriano.

Na esquerda, Marcelo Toscano está em boa forma, e terá que arriscar no 1×1 com Maicon (tem pouca velocidade, e mostra ainda poucas rotinas como lateral direito).

Na posição 10, o rato atómico Nuno Assis, tem que arrastar a marcação de Fernando, tentando abrir espaços na zona central do meio-campo adversário, e é importante, como é seu apanágio, que segure bem a bola, e paute o jogo ofensivo Vitoriano com qualidade.

Na frente de ataque, Edgar, continua muito voluntarioso, mas continua a faltar-lhe os golos, que lhe trarão mais confiança, ainda assim o mais importante é que o Vitória continue a ganhar.

Entrando confiante, o Vitória, tem boas probabilidades de trazer um bom resultado do Dragão, pois o adversário tem a pressão de vencer a partida (sob pena de ver aumentada a distancia para o 1º lugar), e os branquinhos, conseguindo defender bem, trocando bem a bola, e saindo rápido para as transições ofensivas, pode finalmente matar o borrego, de não vencer em casa do adversário (o último triunfo remonta à época de 1995-1996, por 2-3, com 1 golo de Edinho, outro de Ricardo Lopes, e o golo do triunfo por intermédio de Zlatko Zahovic).

Desde aí, o melhor que o Vitória conseguiu, foi um empate a 0 na época 2004-2005.

Força Vitória e Vitória Sempre!

Adversário

Pontos Fortes

* A grande profundidade que Álvaro Pereira, dá no corredor esquerdo da equipa portista, sendo um jogador que joga sempre em alta rotação.
* Pressing alto, que a zona intermediária exerce, com Fernando (recupera inúmeras bolas) e João Moutinho (inicia a transição ofensiva, e marca os ritmos de jogo da sua equipa), a serem os impulsionadores da forte pressão feita no meio-campo adversário.
* James Rodriguez, está num bom momento, e pela sua excelente capacidade técnica, e rasgos individuais, pode desequilibrar uma partida.
* Lançes de bola parada ofensivos, com Rolando (basta lembrar o jogo da Supertaça onde fez 2 golos), Maicon e Klebér, a serem perigosos no jogo aéreo.

Pontos Fracos

* O muito espaço deixado nas costas de Álvaro Pereira, que ao subir muito no terreno, deixa descompensado o lado canhoto da sua defesa, obrigando Otamendi a fechar o lado esquerdo, mas abrindo assim espaços no eixo da defesa.
* Pouca profundidade no lado direito, pois Maicon, aventura-se pouco em acções ofensivas, e ainda não tem rotinas de lateral, e James, foge muito da direita, para a zona central do terreno.
* A Equipa azul, sem Hulk, perde explosão, velocidade e a referência do ataque, até porque o compatriota Klebér, mostra estar a passar uma crise de confiança.
* Jogando em casa, os azuis, tem jogado sob pressão, e o público afeto ao clube, tem mostrado descontentamento com as exibições da Equipa, situação que pode com o desenrolar do jogo, ajudar o Vitória a ganhar ainda mais confiança, e assim causar mossa no adversário.

  Categories: