[QCT] Mensagem de André Coelho Lima e Domingos Bragança!

Hoje em mais uma rúbrica de “Queremos conquista a Taça!” temos connosco dois candidatos á Câmara Municipal de Guimarães.

Não perca mais tempo e leia de imediato a mensagem de Domingos Bragança, candidato do Partido Socialista:

 Estamos à distância de 90 minutos para o nosso Vitória fazer história no futebol português! A aproximação do dia da final da Taça de Portugal acelera a batida de um coração Vitoriano. Estar no Jamor significa já um triunfo, uma conquista, um palco onde muitos jogadores, dirigentes e adeptos de futebol ambicionam pisar. Nós, Vimaranenses e Vitorianos, não somos diferentes. Também gostamos de lá estar!

Já disputamos cinco finais e já trouxemos cinco taças de finalistas vencidos. Está na hora de levantarmos… a Taça! Aquela que faz parte do nosso imaginário e que nos anima em cada viagem ao mítico Vale do Jamor. Aquela com que muitos Vitorianos já sonharam nos últimos dias. Aquela que muitos anseiam ver decorada com uma fita de cor branca e outra preta. Aquela que está a faltar na Sala de Troféus do Estádio D. Afonso Henriques…

Eu acredito que vamos fazer história! Depois de 23 anos sem revisitarmos a atmosfera do Jamor, estamos outra vez numa final da Taça de Portugal, num curto espaço de tempo! Estivemos em 2011 e voltamos em 2013, ano em que Guimarães é Cidade Europeia do Desporto. Também por isso seria simbólico conquistarmos a Taça de Portugal…

Ao nosso treinador Rui Vitória, gostaria de lhe dizer que confio na sua sabedoria tática para ultrapassarmos um obstáculo difícil, que está fragilizado e que, por essa razão, nos obriga a cuidados redobrados – sem tolher nunca a nossa ambição e espírito de conquista.

Aos jogadores, os Vimaranenses e Vitorianos que estarão no Jamor e os que acompanharão a final em Guimarães pedem-lhes que, durante o jogo, honrem a camisola que envergam em cada lance que disputarem este domingo. No final, teremos o Toural pronto para receber os jogadores e as portas de Santa Clara abertas para homenagear os autores de uma conquista há muito desejada pela família Vitoriana. Que assim seja…

Agora leia o texto de André Coelho Lima, candidato pela coligação “Juntos Por Guimarães”.

UM SÓ OBJETIVO: VENCER!

Pediram-me da Associação Vitória Sempre que escrevesse umas palavras sobre o grande momento que espera o nosso clube: a final da Taça de Portugal.

O Vitória deslocar-se-á ao Estádio do Jamor para, pela sexta vez, procurar conquistar a Taça de Portugal.

Algo que lhe escapou até hoje por 5 vezes, tendo perdido sempre com clubes que constam nos que conquistaram igualmente o título de campeão nacional: Belenenses, Sporting, Boavista e Porto (duas vezes).

Sendo que ninguém se esquece da meia-final perdida para o E.Amadora, na época 89/90, após uma derrota duríssima em casa, 1-2, eliminados pelo “nosso” Basaúla, perdendo a possibilidade de estar numa final com o Farense, então na 2ª Divisão.

 

O José Mourinho é amplamente citado por uma frase sua de que “as finais não são para se jogar, são para se ganhar”. E esta frase aplica-se absolutamente ao momento presente.

Aplica-se porque bem sabemos da dificuldade. Porque bem sabemos da diferença entre os dois clubes. Porque bem sabemos o que pode a Taça de Portugal significar para um Benfica que achando que ganhava tudo, até agora nada ganhou.

Sabemos tudo isso, mas também sabemos que queremos ganhar com todas as nossas forças. Que somos um clube que tem tudo, mas lhe faltam os títulos, lhe faltam as honras, lhe falta aquilo que dá dimensão aos clubes (com exceção obviamente para a Supertaça que bem me lembro de ver conquistar ao Porto, em duas mãos, com um 2-0 em Guimarães com golos de Décio António e N’Dinga, a que se seguiu um empate 0-0 nas Antas). E sabemos igualmente que já 11 clubes portugueses venceram a Taça de Portugal, e que nós queremos figurar nesse catálogo.

Porque a História faz-se dos vencedores e não daqueles que quase chegavam lá (se se consultar o historial disponível da Taça de Portugal no site da FPF nem constam os nomes dos finalistas vencidos).

 

Por isso, este é o jogo mais importante da nossa História! Porque se o vencermos – e vamos vencê-lo! – é assim que será considerado.

E aliás, convenhamos que Portugal deveria querer que o Vitória ganhasse. Se o Benfica do passado conquistou alguma simpatia por vencer títulos na Europa só com portugueses no alinhamento, o Vitória é hoje quem representa esse sentimento de esperança, com muitos portugueses no plantel (contra um clube que provavelmente não alinhará com nenhum nascido no nosso País) e sobretudo com uma equipa jovem, com futuro, com garra, com aquilo que os bons adeptos de futebol gostam de ver.

E aliás, seria o prémio merecido para este clube quase centenário, que vive um dos piores períodos da sua História, do ponto de vista financeiro. Vencer a Taça de Portugal neste contexto de crise profunda, de forte redução da aposta financeira no futebol, era o melhor presente que poderíamos ter, para culminar uma época em que as expectativas que tínhamos eram poucas ou quase nenhumas. E seria um prémio merecido para a Direção do Vitória, que ainda que forçada pelo contexto de “emagrecimento”, fez as apostas corretas, apostou em jovens, em jogadores com potencial, apostou na formação, apostou voltado para o futuro… e ganhou a aposta. E merece agora ganhar a taluda maior!

 

Há dois anos atrás, quando nos preparávamos para disputar a final da Taça contra o F.C.Porto, escrevia com regularidade mensal no site “Vitória Sempre”. Nessa altura escrevi um artigo chamado “Momento de Definição”. Muito do que então escrevi se mantém na integralidade.

Termino por isso como terminei o meu texto de 18 de Maio de 2011. Porque me parece aplicar-se na íntegra ao momento presente:

 

Este é um momento de definição.

Este é um momento, como muitos que temos na vida, em que podemos fazer a nossa própria História. Em que está nas nossas mãos fazer parte dela, da História, ou passar ao lado dela.

A vida é feita de momentos assim. Em que podemos ser heróis ou vilões, em que temos na nossa mão aquilo que tantos temem: o destino. A definição dele.

Momentos como estes definem as pessoas, definem os colectivos, definem até um Povo.

São momentos para homens de verdade. Para lutadores. Para gente que é capaz de se superar, gente que é capaz de algo fazer para mudar o Mundo, o seu Mundo.

E é muito importante que – de uma vez por todas – os atletas do Vitória sejam minimamente o espelho dos seus adeptos, percebam e sintam aquilo que nós sentimos, tentem, procurem alcançar, tanto quanto qualquer um de nós tentaria e procuraria alcançar, se estivesse nos seus lugares.

 

Porque este é um momento em que precisamos claramente de nos superar. Em que temos que – de uma vez por todas – pôr em campo o sentimento das bancadas, pôr em campo a garra e o amor verdadeiro de todos os que estarão a ver o jogo, pôr em campo o orgulho que sentimos em ser de Guimarães, o orgulho que sentimos em ser Vitorianos. O orgulho em sermos o que somos, grandes ou pequenos: O QUE SOMOS!

Cada um dos que estiver em campo, deve lembrar-se de uma parte tão poética quão verdadeira do Hino do Vitória do nosso Dino Freitas, que bem representa a genuinidade do sentimento Vitoriano e Vimaranense:

SEJAS ÚLTIMO OU PRIMEIRO
NA DERROTA OU NA GLÓRIA
TERÁS GUIMARÃES INTEIRO
A GRITAR POR TI VITÓRIA!

É conscientes disto que os homens que entrarão no Estádio do Jamor com o nosso emblema junto ao coração, farão deste, o momento das suas vidas.

Para fazer do seu momento, um grande momento das nossas vidas e da vida do Vitória Sport Clube.

FORÇA VITÓRIA!

André Coelho Lima

Sócio nº 3181

 

A apenas sensivelmente um dia já são muitos os vitorianos que se deslocam para o Jamor, mas a hora de maior parte ainda está para chegar. Continue atento! Ainda temos algumas mensagens que não quer perder.

Força Vitória!