Rio Ave-Vitória (Antevisão)

Questão Técnico-Tática

O Vitória desloca-se este Domingo a Vila do Conde, para defrontar o Rio Ave, em jogo a contar para a 24ª jornada da Liga.

Em terras de pescadores, espera-se que sejam os Branquinhos, a “pescar”os 3 pontos, que lhe permitirão consolidar o 6º lugar, que no final de época, pode dar o apuramento para a Liga Europa, uma das metas estabelecidas no início da época.

Para o jogo no Estádio dos Arcos, e em relação à última partida ante o Olhanense, que o Vitória empatou, e que teve tanto de frustrante, como infantil, são esperadas algumas alterações no 11 inicial.
Assim no quarteto defensivo, e apesar da evidente má forma de Bruno Teles, Rui Vitória continuará a apostar no lateral esquerdo brasileiro, em detrimento de Santana (podia trazer mais frescura física e velocidade ao lado esquerdo).

Na direita, também Alex, mostra estar num mau momento físico, e este seria o timing certo, para João Amorim, se estrear com a camisola branquinha em jogos da Liga.

No eixo da defesa, e com João Paulo de regresso após lesão, é muito provável que o defesa volte à titularidade, o que é uma excelente notícia, pois permitirá que o eixo da defesa ganhe mais consistência e serenidade. A seu lado estará Rodrigo Defendi (o seu forte jogo aéreo e estatura, não podiam permitir Wilson Eduardo, que tem 1.79, ganhar a bola de cabeça, permitindo assim isolar Dady no 1º tento algarvio)
No miolo do terreno, são esperados os regressos de Pedro Mendes e El Adoua ao meio-campo, substituindo o duplo pivô, que jogou nas últimas partidas, no caso a dupla Olímpio e João Alves.

Na posição 10, continuará Nuno Assis, que voltou às boas exibições, rubricando na última partida uma exibição consistente, sobretudo na 1ª parte da partida, onde teve muita bola, e muita mobilidade no espaço entre-linhas.

Na frente de ataque, Urreta continuará à direita, e é importante que mantenha por mais tempo, os desequilíbrios (boas triangulações com Nuno Assis e Alex) que durante a 1ª parte, conseguiu fazer frente à Olhanense.

Na esquerda, Toscano, tem que “obrigatoriamente” de estar mais junto da área, procurando mais as diagonais (tal como fez, por exemplo nos golo em casa ante o Feirense e em Aveiro), pois assim estará mais perto do golo.

A referência será Edgar, que continua longe da área, e quando é assim, fica mais longe do golo. É importante que o brasileiro, esteja mais perto da área, tentando combinações com Nuno Assis e Toscano, arrastando assim os defesas, e abrindo espaços.

O Vitória, tem que entrar confiante, e os jogadores durante os 90 minutos, tem que desfrutar da partida, fazendo o que melhor sabem, tentando não passar nos graves problemas financeiros que o clube vive.

Na Bancada Nascente do Estádio dos Arcos, estarão presentes meio milhar de Vitorianos, apoiando mais uma vez de forma apaixonada, os Conquistadores!

Força Vitória e Vitória Sempre!

Adversário

Sistema Tático
A formação orientada por Carlos Brito (Técnico de sucesso em Vila do Conde), organiza-se muito bem em campo, com um 1x4x3x3 (2 blocos baixos, e uma clara aposta na velocidade e profundidade de Atsu e Yazalde nas alas), com princípios de jogo, já assimilados da última época.

O Rio Ave, tem mais 6 pontos que a 1ª Equipa, abaixo da linha de água, nesse contexto, parte para esta partida, com uma boa “almofada” pontual.

Em casa, os Vila-Condenses, tem conseguido triunfos, mostrando que será preciso um Vitória ao seu melhor nível, para trazer os 3 pontos na bagagem.

Pontos Fortes
* Profundidade que Jean Sony dá no corredor direito, pois é um lateral veloz e muito irreverente.
* Zona intermediária com bons médios, casos de Bruno China (forte na marcação e na recuperação de bola), Tarantini (médio “operário “, que equilibra o miolo do terreno), e Braga (vai substituir o castigado Vítor Gomes, e é um médio ofensivo, com excelente meia distância, e forte no último passe).
* Trio de ataque muito imprevisível, pois o ganês Atsu (dá muita profundidade na esquerda, e é fortíssimo no 1×1), Yazalde (possante, desgasta muito um defesa, e é muito perigoso nas diagonais da direita para o centro), e João Tomás (o eterno goleador, que está quase sempre no sitio certo).
* Nas bolas paradas ofensivas, João Tomás, aparece sempre ao 2º poste, tentando usar o seu forte jogo aéreo.

Pontos Fracos
* Debilidade dos laterais a nível defensivo, com Jean Sony (dá muitos espaços nas costas, com as subidas ao ataque) e Tiago Pinto (é ainda ingénuo a abordar vários lances defensivos), a sentirem muitas dificuldades, quando se deparam com extremos velozes e fortes no 1×1.
* A dupla de centrais constituída por Edér Monteiro e André Vilas Boas, denota lentidão de processos, pois tem poucos automatismos, isto em quando comparado com a dupla mais rotinada, no caso Gaspar-Jefferson.
* O Rio Ave, sente muitas dificuldades em assumir o jogo, ou jogar em ataque-continuado, pois os seus princípios de jogo, são de claro contra-ataque, nesse contexto, o Vitória pode fazer com que o jogo se inverta, dando iniciativa de jogo aos Vila-Condenses, e partindo depois rápido para as transições ofensivas.

  Categories: