Rui Vitória: “Se possível queremos reforçar o ataque”

Rui-VItoria

Saiu hoje no Desportivo de Guimarães uma grande entrevista a Rui Vitória. Fique aqui a conhecer algumas das frases mais importantes desta entrevista sobre vários assuntos da actualidade vitoriana.

“Vamos arrancar para uma segunda fase da época muito boa”

Eliminação da Taças e Liga Europa: “Não fico frustrado mas sinto alguma mágoa por acho que tínhamos possibilidade de fazer mais qualquer coisa”.

“É importante que a base da equipa comece a ser construída mais cedo. Recebemos 5 jogadores  no último dia das inscrições. Se calhar, perdemos um mês de trabalho que serviria para assimilar processos e de repente os jogadores tiveram que ser chamados imediatamente a exigências elevadas”.

“O Vitória tem dimensão para a breve prazo andar com regularidade nestas competições(europeias) mas o trabalho deve ser feito de forma gradual”.

“Quem passa por uma experiência destas(Liga Europa), ou pela Liga dos Campeões – ainda não passamos mas pode ser que estejamos lá brevemente -, percebe que é muito aliciante e motivador.”

Sobre possível luta por um lugar europeu: “Vejo a equipa a poder ter bons desempenhos, a poder crescer, os jogadores a melhorar o seu rendimento e, consequentemente, isso pode ocasionar bons resultados. Há aqui jogadores que vão subir o rendimento e acredito que possamos fazer um campeonato muito engraçado. Se repararmos , estamos todos(outros candidatos) num patamar muito idêntico. Só o Sporting se tem destacado um pouco. Ninguém tem sido brilhante e nós estamos na luta acreditando que temos as nossas armas e valor”.

Críticas de mau futebol apresentado: “Tenho alguma mágoa que tenham essa opinião porque conheço a realidade em que estou incluído. Neste momento temos 10 jogadores que na época passada estavam na equipa B. Perdemos na Final da Taça, 5 ou 6 jogadores da equipa base. Tivemos de reformular a equipa e esperar que os jogadores atinjam a sua maturidade. Eu, mais do que ninguém, quero ver a equipa a jogar bem…

“É importante que o Vitória consiga trabalhar com uma equipa estabilizada de um ano para o outro. Quando isso acontecer falaremos.”

“Na frente temos alguma pecha no que diz respeito a homens-golo”

Sucesso defensivo: “Reside fundamentalmente no trabalho colectivo. Os jogadores sabem o que têm de fazer em prol do trabalho colectivo. Mesmo aqueles que saem do banco.” Goleada sofrida contra o Setúbal:  “Se calhar esse jogo foi bom para nós, porque percebemos que tínhamos de seguir outro caminho.”

Sobre processo ofensivo menos positivo: “O mais dificil é a criação, a inspiração, a criatividade. Isso não se resolve com um estalar de dedos. É preciso trabalho. Na época passada tivemos 2 jogadores que fizeram 20 golos. O ataque teve de ser completamente mudado e houve rotinas alteradas. O processo vai melhorar naturalmente. A nossa média de remates é sempre superior ao 10 por jogo. Falta ser muito mais eficazes.”

Taça da Liga: ” No meio de exigências elevadas, ás vezes cria-se uma desvalorização inconsciente. Se calhar relaxamos um bocadinho”.

Caso Marco Matias: “Entendeu-se que não estavam reunidas as condições para o Marco jogar, foi uma situação que prejudicou indirectamente o meu trabalho e que prejudicou claramente o trabalho do Vitória. Havia mais coisas envolvidas. Tivemos de gerir da melhor forma. Foi limitador para esse jogo, mas tenho de perceber todo o contexto e está feito.” Sobre se poderá contar com ele até final da época: “Não sabemos. Espero bem que sim. Com ele e com todos. Cada caso é um caso, são processos individuais. O que mais quero é ter toda a gente disponível”.

Mercado de Inverno: “Se possível queremos retocar o ataque. Acima de tudo, estamos atentos ao sector ofensivo mas não podemos dizer que tudo deve ser mudado. Vamos trabalhar e melhorar e, aqui ou ali, sempre que for possível porque o Vitória não nada em dinheiro, se surgir alguma coisa boa que encaixe no nosso perfil e projecto, daremos algum retoque”.

Entrada de jovens da formação na equipa: “Houve uma porta aberta e, sobretudo mérito dos jogadores que souberam entrar por ela e aproveitar a oportunidade que lhes surgiu.”

Paulo Oliveira: “Já é dos melhores centrais portugueses”

Renovação: “De forma concreta ainda não fui abordado para renovar. Falamos sobre o futuro do Vitória mas esse futuro não tem de estar agarrado a um treinador. Temos tempo.”

“Tem tempo e não fecha a porta a continuidade?” – “Não, isso não. Não vivo de cenários hipotéticos, mas se tiver de estar aqui 10 anos, estarei se for a melhor solução. Gosto muito de estar cá, gosto de Guimarães e do clube.”

Derby com o Braga: “Estamos mais consistentes e preparados do que no passado”.