Setúbal – Vitória (Antevisão)

Questão Técnico-Táctica

A Liga está de regresso e este Sábado o Vitória conta com uma deslocação sempre complicada ao Estádio do Bonfim, onde medirá forças com o homónimo de Setúbal. Frente a frente, estarão duas equipas que estão separadas por apenas três pontos na tabela classificativa, com vantagem para o nosso Vitória.

Perspectiva-se um duelo interessante, pois a equipa Sadina, jogando perante o seu público é sempre muito aguerrida e complicada de levar de vencida, prova disso é o facto de ainda não ter perdido em casa.

O Vitória depois do empate positivo com o F.C. Porto, vai tentar regressar aos triunfos de forma a manter-se nos primeiros lugares da Liga. Em Setúbal, será preciso um Vitória muito determinado em trazer o triunfo para a Cidade-Berço e para isso, será importante a coesão que o grupo tem revelado até agora.

Comparativamente ao jogo frente aos portistas, não são esperadas alterações no onze inicial. Portanto, Manuel Machado deverá escalonar o onze, que conta já nesta fase da época com rotinas de jogo bem evidentes, nos jogos já realizados até então e onde a formação Vitoriana se tem exibido a um bom nível. Parece ser pertinente para este jogo, numa primeira fase a aposta no 1-4-4-2 habitual, pois, é importante não perder a “batalha” do miolo do terreno. Numa fase mais avançada do encontro Manuel Machado, poderá sempre lançar o estonteante Maranhão, que com a sua velocidade pode sempre criar muitos desequilíbrios. O onze inicial é provável que seja o seguinte:

Adversário-Setúbal

A formação sadina tem tido um início de época positivo contabilizando até ao momento 9 pontos fruto de dois triunfos, três empates, sendo derrotada por duas vezes fora de portas, o que mostra que “entre-muros” têm estado à altura.

Manuel Fernandes experiente timoneiro da formação sadina têm apostado na variante táctica 1-4-1-3-2 a “descair” muito para o 1-4-4-2 em losango.

Na baliza o brasileiro Diego é o dono das redes e têm estado em excelente nível. No quarteto defensivo à direita joga Ney um lateral ofensivo e que coloca muito bem a bola nas costas da defensiva contrária. A dupla de centrais constituída por Ricardo Silva e Valdomiro (que já passaram pelo Vitória) é muito forte fisicamente e imperial no jogo aéreo, porém são muito lentos e “duros de rins”. Na ala canhota, joga um central de raiz, Anderson, ele que também é muito possante e forte no jogo de cabeça mas que denota muitas dificuldades a jogar como lateral e esse pode ser um factor muito forte a explorar pelo Vitória. Manuel Fernandes também poderá optar por Miguelito que proporcionará maior consistência ofensiva pelo lado esquerdo.

Em frente à defesa joga o trinco brasileiro Silva, um jogador que ainda não se adaptou ao futebol mais rápido que se joga na Europa. Na direita do miolo do terreno o experiente Hugo Leal dá criatividade e cria muitas linhas de passe para os homens mais avançados. No lado esquerdo deverá jogar Bruno Gallo, brasileiro com qualidade técnica e visão de jogo. No vértice mais adiantado do losango e não podendo contar com o estratega Neca e Zé Pedro a escolha deve cair para o jovem Zeca (muito irreverente. Na frente a dupla de ataque será composta pela estrela da companhia, Cláudio Pitbull, ele que é o agitador do futebol sadino e pelo veloz e móvel Jaílson. Mas no banco sadino existem duas opções credíveis como o Henrique e o Sassá.

É necessária muita atenção nas bolas paradas, pois os gigantes e fortíssimos nas bolas paradas (Ricardo Silva, Valdomiro e Anderson) podem criar muito perigo para a baliza de Nilson.

É preponderante, não dar também muito espaço ao Pitbull pois todo o jogo setubalense passa por si, e é sempre ele que dá intensidade ao jogo da sua equipa.

  Categories: