Triunfo amargo do Vitória

Os branquinhos retornaram aos triunfos contudo trata-se de uma vitória agridoce já que a equipa vimaranense permitiu a reacção ao Sporting de Espinho depois de ter conquistado os dois primeiros parciais do encontro. O triunfo pela margem mínima apenas permite somar dois pontos e a equipa derrotada soma um ponto.

A grande surpresa na formação inicial do Vitória foi a inclusão do central Everton Oliveira, atleta que não tem sido opção. Acabou por se cotar com uma exibição positiva. Melhor em campo por parte do Vitória foi sem dúvida Nelson Brízida, com realce no item serviço. Também destaque para a boa exibição do distribuidor Cristóvão Silva.

O primeiro set decorreu em grande parte do tempo com equilíbrio. No primeiro tempo técnico o placard assinalava 7-8. Após essa paragem o Vitória esteve um pouco desconcentrado o que lhe valeu a perda de alguns pontos. Com quarto pontos de desvantagem aos 9-13 o técnico Nuno Coelho pediu um tempo e tal decisão acabou por ser providencial. Ao longo do desafio esteve sempre atento e inteventivo. A equipa ganhou mais estabilidade e na passagem do segundo tempo técnico a desvantagem era menor: 14-16. A partir daí os branquinhos estiveram sempre melhor do que o adversário, com atitude e crer o triunfo surgiu por 25-21.

No segundo set o Vitória encontrou confiante e a praticar um voleibol de maior qualidade. A superioridade era a nota dominante na paragem do primeiro tempo técnico (8-4). Após a paragem mais uma vez o Vitória teve um período menos bom com algumas falhas o que permitiu um ascendente da equipa forasteira, de um 11-6 o marcador alterou-se para um 12-11. A partir deste momento os branquinhos voltaram a ter um maior acerto em todas as acções e até final do parcial não permitiu mais veleidades à equipa de João Brenha. Controlando o marcador até fim do parcial este registou a distância maior de todos: 25-18.

À partida do terceiro parcial e face ao bom nível do voleibol praticado era expectável pelo público presente em número agradável um triunfo branquinho pela margem máxima. Tal não aconteceu. No final do parcial a equipa vitoriana permitiu aos espinhenses recuperarem de uma desvantagem de quatro pontos. A derrota no terceiro parcial surgiu mais por demérito vimaranense do que por mérito do oponente. Uma lufada de ar fresco para o Sporting de Espinho o triunfo por 23-25.

Com 2-1 no marcador pairava a incerteza sobre o desfecho do duelo. O quarto set foi o mais intenso de todos, exceptuando a “negra”. A entrada neste parcial foi muito forte do Vitória com resultados parciais de 4-0 e 8-4 (no primeiro tempo técnico). Fruto de um período de desconcentração a equipa forasteira recuperou e com surpresa o placard mostrava 9-8. O 12-10 favorável ao Vitória vem no seguimento de um amarelo ao suplente Paulo Fonseca. Num período bastante tenso também Jacques Yoko “ofereceu” um ponto por ter visto cartolina amarela, o 14-13 favorável à equipa vimaranense. Apesar destes acontecimentos favoráveis ao Vitória o que é certo é que o Sporting de Espinho ganhou forças e cavou um fosso pontual de quatro pontos o que lhe permitiu fechar o set a seu favor por 21-25. Surpreendentemente estava então alcançada a igualdade.

Na “negra” tudo é possível, essa é uma máxima do voleibol. Com o apoio constante do público a equipa liderada por Nuno Coelho rubricava uma exibição agradável e na troca de campo estava na frente do marcador (8-5). Com uma boa réplica do outro lado da rede o final de “negra” foi electrizante a partir do 11-11. O final do encontro foi bastante atribulado. O décimo quarto ponto do Vitória é bastante discutido por Miguel Maia e restante equipa com o primeiro árbitro. Este decide punir com cartão amarelo ao sérvio Edin Skoric o que permite o 15-13 e fim de encontro favorável ao Vitória. Depois de Edin Skoric ter sido sancionado com cartão amarelo e o árbitro dar por findo o jogo, o treinador João Brenha teve uma atitude anti-desportiva e que não lhe fica nada bem. Atirou as placas de substituição ao chão e seguidamente as pontapeou! Gestos incompreensiveis de um profissional de voleibol com uma carreira já longa. Quer Miguel Maia quer o João Brenha no fim do encontro passaram longo tempo em conversa com os árbitros com algum exaltamento vindo da bancada por causa da atitude desses protagonistas.

 

Resultados de sábado:

Vitória – Sp. Espinho: 3-2 (25-21 ; 25-18 ; 23-25 ; 21-25 e 15-13)

Benfica – Fonte Bastardo: 3-2 (25-13 ; 20-25 ; 25-21 ; 22-25 e 16-14)

Castêlo da Maia – Leixões: 3-0 (25-16 ; 25-15 e 25-20)

Classificação – Todas as equipas com 2 jogos disputados

1º – Benfica: 5 pontos

2º – Sp. Espinho: 4 pontos

3º – Fonte Bastardo: 4 pontos

4º – Castêlo da Maia: 3 pontos

5º – V. Guimarães: 2 pontos

6º – Leixões: 0 pontos

 

<Fotos Brevemente>

Actualizado em 28 Fevereiro 2011

 

  Categories: