Um Bebé Valioso…

Os pormenores não enganavam… a sublime capacidade técnica aliada à estonteante velocidade pareciam indiciar, aos primeiros pormenores, que os olheiros vitorianos haviam descoberto ouro na Reboleira!  E no fundo, não seria a primeira vez que tal sucedia… depois de Paulo Bento, a que se seguiu Dimas, mais um talento proveniente do Estrela, clube da periférica Amadora, promete incendiar de qualidade o futebol vitoriano!

O seu nome, simplesmente, Bebé – algo de estranho para quem se alcandora num roçar o 1,90m – parece indiciar inexperiência própria da puerilidade, a que os seus dezanove anos não deixam desmentir.

Todavia, essa imagem de ingenuidade é imediatamente esbatida mal pisa o primeiro pedaço de relva de um qualquer terreno deste país… a qualidade sobrepõe-se à inocência dos verdes anos e o seu nome começa a ser respeitado!

Confesso que a primeira vez que o vi, no jogo do Torneio Cidade de Guimarães frente ao Groningen, a minha curiosidade não residia nele… olhava-o, acima de tudo, como um jovem que apesar de, na altura, se encontrar integrado no plantel teria de evoluir noutro clube de menor dimensão de modo a ganhar estofo… o famigerado verbo rodar tantas vezes aplicado no futebol!

Porém, passados quinze minutos de contenda, as minhas certezas acerca da sua não integração no plantel principal já inexistiam, visto ser apologista que a qualidade não tem idade e pode provir de onde menos se espera!
Efectivamente, o jovem desconhecido, juntamente com Edgar Silva e Maranhão depauperou uma aturdida defesa holandesa que jamais conseguiu lidar com as suas movimentações, o seu drible curto, a sua passada larga, mas, também, a sua inteligência táctica pois partindo da posição dez conseguia deambular pelas laterais criando situações de desequilíbrio, ou então irromper pelo coração do terreno causando situações de superioridade numérica no centro defensivo dos homens dos Países Baixos… Apesar de a imprensa, graças a esse jogo, cantar loas a Edson, Maranhão ou Faouzi, confesso que por momentos vislumbrei o futuro do Vitória nos pés daquele menino com corpo de gigante!
Nos demais jogos de preparação, a confirmação dos meus melhores pressentimentos ao qual se juntaram os golos… o primeiro com a camisola do Rei, no apronto realizado frente ao Freamunde, numa gorda vitória por cinco bolas a zero, a que se seguiu outro contra o primodivisionário Beira-Mar, num estupendo pontapé colocado do meio da rua a denotar outros méritos desconhecidos…

Surge, agora, a notícia que Emílio Macedo da Silva e seus pares avançaram para a revisão do contrato do jovem jogador e nessa revisão constará uma cláusula de rescisão de dez milhões de euros, bem como o próprio atleta terá o seu salário triplicado, tudo num espaço de um mês!
Na verdade, a certeza que se tudo correr bem, o Vitória poderá ter em mãos um dos activos mais valiosos de oitenta e oito anos de história…assim tudo continue a correr de feição!

  Categories: