VITÓRIA – Benfica (Antevisão)

Questão Técnico-táctica

Depois do excelente e moralizador triunfo na Choupana diante do Nacional segue-se o Benfica no D. Afonso Henriques.

Um Jogo de elevado grau de dificuldade para os comandados de Manuel Machado, mas onde se espera um Vitória moralizado e fortemente empenhado em dar continuidade aos 3 pontos alcançados na última jornada na Madeira.

Para esta partida frente aos Encarnados será necessário, uma Equipa Vitoriana muito concentrada e bastante abnegada e com muita vontade para levar de vencida um adversário, que não começou nada bem o Campeonato, mas que têm a seu favor o facto de conseguir vencer muitas vezes, com muita sorte a mistura, o Vitória em Guimarães. Espera-se agora que o Vitória na sexta-feira inverta essa situação e consiga conquistar os 3 pontos dando assim mais uma alegria aos seus Sócios e simpatizantes.

No que diz respeito ao jogo em si o Vitória, na minha óptica, terá que ter numa fase inicial da partida algumas cautelas e contenção, pois o Benfica perante equipas que no nosso Campeonato jogam o jogo “taco a taco”, quase sempre leva a melhor, pois quando é dada liberdade a jogadores muito tecnicistas e “fantasistas”, como Aimar e Saviola no último terço do terreno pode ser um duro revés nas aspirações de conquistar um triunfo.

Lembremo-nos do jogo do Torneio Cidade de Guimarães realizado na Pré Época, nessa altura Manuel Machado apostou inicialmente numa Equipa com uma frente de ataque alargada, mas o meio campo vitoriano estava muito desguarnecido e os encarnados tiveram muita liberdade e espaços na zona intermediária e dessa forma resolveram cedo e com relativa facilidade esse jogo.

Será então portanto fulcral numa primeira fase deste jogo quebrar o ímpeto atacante dos encarnados e tentar ganhar a luta da zona intermediária e explorando de forma célere o contra-ataque, onde aí o Vitória poderá criar mossa na baliza do Espanhol Roberto.

Acho pertinente que Manuel Machado opte inicialmente por dar continuidade ao 1-4-4-2 que utilizou inicialmente na Madeira frente ao Nacional, e que quando os médios Vitorianos tenham a posse da bola, façam as transições de forma rápida, conseguindo também fazer jogar o colectivo em toda a largura do terreno.

O Sector defensivo tem estado bem até ao momento, com os centrais Ricardo e João Paulo a darem boas garantias e a mostrarem já bom entrosamento entre os dois. Nas laterais, Bruno Teles na canhota está a subir de rendimento e mostra já uma boa condição física, na direita Alex falta-lhe ter mais atrevimento ofensivo e aprimorar os cruzamentos.

Na partida de sexta-feira, os Médios João Alves e Edson serão muito importantes no rendimento da equipa, pois terão que ser muito mais lestos a soltar a bola e também terão que ser muito mais objectivos na “sua” entrega aos companheiros de Equipa. Marcelo Toscano jogando como 10 que já deu para obstar não ser o seu”habitat natural”, terá que ter mais bola e assumir mais o controlo da manobra ofensiva da sua Equipa, sendo que, parece evidente que Toscano parece render muito mais como 2-avancado onde ele aí parece “explodir” e tirar melhor proveito do seu potente remate e qualidade técnica!

Durante a partida Marcelo Toscano seguramente terá uma marcação cerrada de J.Garcia, será importante o brasileiro por vezes pisar outros terrenos e tentar arrastar o espanhol com “ele” e descompensar o meio-campo encarnado. Na frente de ataque Maranhão terá que ser um jogador muito móvel, e com a sua velocidade poderá encostar muitas vezes a direita do seu ataque, onde com essas movimentações e diagonais poderá criar muita dificuldade a César Peixoto, que devera substituir o lesionado Coentrão, que quando utilizado como lateral esquerdo é muito lento, e tendo pela frente um ala muito rápido sente imensas dificuldades para o parar.

A referência de área Edgar, terá que tentar fazer melhor uso do seu jogo de cabeça, tentando também “cavar” faltas junto à área benfiquista. Será importante Edgar acompanhar D. Luiz quando este se impõe em manobras ofensivas, pois o central brasileiro possui qualidades técnicas invejáveis para um defesa, por isso para este jogo Edgar terá uma missão de enorme sacrifício e entreajuda.

A Equipa inicial e a sua disposição táctica para o Jogo de sexta-feira poderia então ser esta:

Adversário – Benfica

Parece evidente por este início de Liga que o Benfica não está tão forte como na época transact,a pois jogadores como Ramirez e Di Maria não têm substitutos á altura. Sendo assim o poderio atacante que o Benfica apresentava na época passada não o terá nesta.

Jorge Jesus opta sempre, neste Benfica, por fazer utilizar um dispositivo táctico assente num 1-4-4-2 ou então num 1-4-1-3-2. Para a partida frente ao Vitória o técnico do clube encarnado dá-me a entender que deverá apostar no 1-4-4-2, com um meio campo de mais contenção, e dessa forma fará entrar no 11 inicial o médio Carlos Martins, um jogador que é talhado para fazer grandes exibições frente ao Vitória, e assim sendo subtrairá da equipa relativamente ao último jogo, frente ao Setúbal, o ala Argentino Sálvio.

Jorge Jesus, tentara assim logo de inicio ganhar a luta de meio campo, e apostar no virtuosismo e a qualidade técnica e de passe de jogadores como Aimar, Gaitan e Saviola.

O jogo do Benfica é muito dependente de Aimar, pois quando o Argentino não consegue pegar no jogo da sua Equipa está sente imensas dificuldades. Será importante então que Clebér, que deverá ser o homem Vitoriano encarregue da marcação a Aimar, não deixe o 10 Argentino pegar no jogo da equipa benfiquista, desta forma o Benfica sentirá imensas dificuldades para “armar” jogo e fazer as transições para o ataque.

Outro problema, que o Vitória encontraria seria, ou será Fábio Coentrão, pois o lateral adaptado é um dos grandes impulsionadores da equipa de Jesus, pois são muitos os desequilíbrios que cria na faixa esquerda. Com a sua provável ausência os encarnados perdem um dos impulsionadores do seu jogo, e com a entrada mais que provável de César Peixoto para o seu lugar ficam claramente mais frágeis tanto a nível defensivo como ofensivo.

É preciso muita atenção as movimentações e rupturas de Saviola na frente de ataque. O Argentino é muito rápido e difícil de marcar, por isso é necessária muita atenção de João Paulo, Ricardo e até de Bruno Teles, pois Saviola descai muitas vezes para a direita do ataque. Já o seu companheiro de ataque, o Paraguaio Cardozo, é mais fixo e gosta de tentar o seu potente remate com o pé esquerdo. Por vezes parece algo distante do jogo, mas num ápice faz o golo.

O Benfica é também muito forte nas bolas paradas onde em zona frontal Cardozo e Carlos Martins rematam muito colocado e com potência Nos livres laterais, Aimar e Gaitan centram de forma muito tensa para jogadores altos e que cabeceiam muito bem como são os casos de Luizão, David Luiz ou Javi Garcia.

O Vitória terá que explorar muito bem as laterais, onde César Peixoto e Maxi Pereira são lentos e não atravessam um bom momento de forma.

Na Baliza, é demais evidente a falta de qualidade de Roberto, que nas saídas aos cruzamentos é uma lástima, por isso é mais um factor a explorar pelos jogadores Vitorianos, principalmente nas bolas paradas como livres laterais ou cantos. Os jogadores do Vitória também têm de apostar no remate de meia distância, pois o espanhol não é seguro em nenhum destes aspectos.

O Vitória, têm muitas condições para levar de vencida este Benfica, que se costuma dar muito bem na Cidade Berço, mas que esperemos que desta vez não tenha a imensa felicidade que os costuma acompanhar, onde os Sócios Vitorianos deverão mais uma vez apoiar intensamente os seus “branquinhos”.

Esperamos então um triunfo e uma bela exibição do nosso Vitória na sexta-feira.

“Força Vitória e Vitória Sempre”

  Categories: