Vitória-Braga (Antevisão)

A 3ª fase da Taça da Liga, arranca esta 4ª feira, e logo com um grande jogo, o derby do Minho.

É então o Jogo de todas as emoções, aquele jogo que é vivido com muita paixão e fervor por parte dos intervenientes na partida!

Esta 4ª feira não será diferente, e os Conquistadores, tudo irão fazer para levar de vencida o seu opositor, partindo assim em vantagem para as duas outras partidas que ainda irá disputar no Grupo B.

Vencer o seu adversário, seja para a Liga, seja para a Taça de Portugal, seja para a Taça da Liga, ou até a nível “amistoso”, tem que estar sempre no pensamento do Vitória, neste contexto, esta 4ª feira, o que mais se pede aos jogadores, e o que mais queremos é que os Branquinhos levem de vencida o seu adversário.

Mais do que falar, é necessário que os Jogadores mostrem dentro de campo, que o Vitória pode vencer este Derby.

Nesta competição, o Vitória tem que jogar para ganhar a prova, pois todas as competições devem ser importantes, pois o Vitória precisa de títulos, e também de “injetar” dinheiro nos depauperados cofres do Clube, e esta competição traz sempre algum dividendo financeiro.

Para arbitrar o Jogo, estará Duarte Gomes, que volta a dirigir esta época uma partida do Vitória.

Que faça uma arbitragem isenta, é o que se pede e se deseja ao árbitro de Lisboa.

No Estádio, é preciso um “inferno branco”, “empurrando” os Conquistadores para o triunfo!

Questão Técnico -Tática

Para este Derby a contar para a Taça da Liga, Rui Vitória, deve efetuar em comparação ao jogo para a Liga em Paços de Ferreira, três alterações no 11 inicial.

No setor defensivo, N´Diaye deve voltar ao eixo da defesa, passando assim El Adoua para o miolo do terreno, em substituição de André.

Com o possível regresso de N´Diaye, o eixo da defesa, fica a ganhar nos detalhes do jogo aéreo, da velocidade e da “agressividade”, situação importante, até porque o avançado adversário (Éder), é muito possante, mas também forte no jogo aéreo e na velocidade.

Já com o retorno de El Adoua à zona nevrálgica, (será encarregue de marcar Márcio Mossóro, que é um jogador forte no espaço-entre-linhas, e que é muito móvel, “arrastando” marcações) o marroquino fará um duplo-pivô com Leonel Olímpio (é o jogador mais indicado para fazer uma marcação “cerrada” a Hugo Viana, fazendo com que este tenha dificuldade a virar-se para jogo, pois com esta situação, o Braga vai sentir muitas dificuldades para “pegar” na partida, pois o médio canhoto é o “cérebro” da sua Equipa), dando assim mais “músculo” e “poder de choque” ao setor intermédio.

Por último, Jean Barrientos, deve também entrar para a posição 10, saindo da Equipa Marcelo Toscano, que tem estado a um nível muito abaixo do que pode e deve fazer.

Com esta alteração, Rui Vitória, pretende equilibrar o meio-campo, situação que não tem sido possível com Marcelo Toscano, que tem estado muito distante da dupla Leonel Olímpio e André, o que cria um “fosso” entre esta dupla e o “camisola 10”, fazendo com que o Vitória sinta muitas dificuldades em armar jogo, e fique numa situação de “inferioridade numérica” na zona intermediária, com 3 jogadores da equipa adversária, contra apenas dois do Vitória, tendo assim muitas dificuldades em controlar uma partida.

Com Barrientos, o Vitória pode então equilibrar o miolo do terreno, e ganha um jogador capaz de desequilibrar nos duelos individuais, que pode fazer um bom transporte de jogo, e que pode criar mais linhas de passe para os companheiros da frente.

Barrientos, terá que “cair” no raio de ação de Custódio, fazendo com que o médio bracarense, não comece a fazer a 3ª fase de construção de jogo da Equipa, e que faça com que o adversário, sinta muitas dificuldades logo na saída da sua área.

No restante da Equipa, não são esperadas alterações por parte do Timoneiro Vitoriano.

Na defesa, Alex (tem que defender bem, e incorporar-se nas ações ofensivas, “levando” consigo Rúben Amorim) e Addy (neste jogo, não pode subir tanto como o habitual, pois Alan é um jogador que sai muito bem nas transições ofensivas, e que é forte nas diagonais curtas) continuarão nas laterais, e Freire (terá que estar muito concentrado) a manter-se no eixo da defesa.

Na frente de ataque, Ricardo, tem estado a um excelente nível, e é primordial que assim continue no jogo de amanhã. Tem que continuar a arriscar no 1×1, a dar profundidade no corredor, e só tem que melhorar o capítulo do cruzamento.

Já Marco Matias, tem estado bem nos duelos individuais (tem que ir para cima do Ismaily), mas há situações onde tem que ser mais “intenso” (aquele lance que dá ínicio ao 2º golo do Paços de Ferreira, não pode acontecer).

Na frente, vai estar novamente Baldé, que esteve desinspirado na última partida.

Ainda assim, há mais jogos pela frente, e o jovem avançado do Vitória, tem já esta 4ª feira a oportunidade de se “redimir”, e mostrar que é um goleador e que vai proporcionar ainda muitas alegrias aos Vitorianos.

No jogo de amanhã, é primordial que haja um Vitória ao seu melhor nível (tem que defender bem, ter critério quando tiver a posse de bola, terá ainda que fazer um pressing médio-alto no adversário, e ser objetivo e acutilante a sair para o ataque).

Depois é essencial, que seja eficaz, situação que não aconteceu no último jogo, e que penalizou severamente a Equipa.

Amanhã, é preciso muita garra, raça, e muito espírito de conquista, de forma a se ganhar a partida!
Todos juntos (Equipa e massa associativa), vamos conseguir vencer o inimigo!

Força Vitória e Vitória Sempre!

Adversário

A Equipa orientada por José Peseiro, vai apresentar-se no Estádio do Fundador, com a habitual variante tática, no caso o 1x4x2x3x1.

O S.C.B, esta época, tem um estilo de jogo, que privilegia a posse de bola, e o futebol curto e apoiado, sendo uma Equipa com uma boa dinâmica ofensiva.

É então importante que o Vitória, faça um pressing médio-alto, sobretudo logo na saída de bola por parte do adversário.

É certo, que para isto, é preciso muita disponibilidade física por parte do Vitória, mas este detalhe é muito importante, pois se o adversário, tiver a facilidade em fazer circulação de bola (teve-a no jogo da Liga), e o Vitória deixe que Hugo Viana comece a construir o jogo ofensivo da sua Equipa, então será mais complicado de vencer a partida.

Hugo Viana, pensa todo o jogo da Equipa, e se o Vitória “neutralizar” o médio canhoto, o S.C.B, não terá o controlo das operações, e vai sentir muitas dificuldades em fazer a ligação para o ataque.

É também precisa muita atenção, aos desequilíbrios de Márcio Mossóro (“cai” bem nas faixas) e Alan (continua forte no 1×1).

Na frente, Éder, é muito móvel, e tem uma passada larga, é necessário que não possa “embalar”, de forma a não romper para a área Vitoriana.

Nas bolas paradas ofensivas, o adversário é perigoso, pois conta com jogadores fortes e agressivos no jogo aéreo, casos de Douglão, Paulo Vinícius, Custódio e Éder.

Nas bolas paradas defensivas, o adversário, sente dificuldades com bolas colocadas ao 1º poste ( N´Diaye e Baldé devem atacar a bola nesta zona).

Por outro lado, o Vitória tem que explorar bem as laterais do adversário, até porque Salino (não está num bom momento físico, dando também espaços nas costas, e fechando mal a zona central), e Ismaily (gosta de subir no terreno, mas a nível defensivo, não é consistente, sentido dificuldades em parar um extremo veloz e forte no 1×1), não são laterais de grande eficiência defensiva.