Vitória- Estoril (Antevisão)

O Vitória volta a jogar no Estádio do Rei este Sábado, diante do recém-promovido Estoril.
Frente à Equipa Canarinha, os Branquinhos tentarão vencer pela 1ª vez na Liga, e conquistar assim os 3 primeiros pontos da Temporada.
Após a má noite no Dragão, o Vitória a jogar diante dos seus adeptos, vai tentar vencer e praticar um futebol agradável, mostrando que a Equipa tem muito mais valor do que o apresentado no último fim-de-semana.
Vitória e Estoril, não se defrontam para a Liga Principal desde a época 2004/2005, altura em que o Vitória venceu no Estádio do Rei os Canarinhos por 1-0, com um belo golo do antigo Avançado Romeu.
A Partida deste Sábado, será arbitrada por Jorge Tavares de Aveiro, um jovem árbitro, que se espera que faça uma boa arbitragem.
Nas Bancadas do Estádio D.Afonso Henriques, são esperados 12 mil Vitorianos, que apoiarão fortemente os Conquistadores rumo ao 1º Triunfo na Liga.

Questão Técnico-Tática

Após o”acidente” no Dragão, onde o Vitória esteve muito mal a todos os níveis (a 2ª parte foi confrangedora, com a Equipa a não conseguir dar 2 passes seguidos na bola) urge voltar aos triunfos e realizar uma boa exibição, de forma a deixar para trás o desaire pesado do último fim-de-semana.
Para a partida diante do Estoril, e em comparação ao jogo frente ao Porto, é provável que não haja alterações no 11 inicial.

Já a nível tático, é pertinente, que o sistema tático apresentado nas duas primeiras jornadas, no caso o 1x4x2x3x1, dê agora lugar a um 1x4x1x2x3 (sistema utilizado na pré-época por Rui Vitória, e já com algumas rotinas de jogo), com um triângulo invertido na zona intermediária, com André a jogar mais perto de Barrientos, tentando os 2 médios transportar bola para o ataque, e construindo o jogo ofensivo da Equipa. É que Barrientos a jogar como número 10 no sistema utilizado nas duas primeiras rondas, tem sentido muitas dificuldades em assumir a batuta do jogo Vitoriano, e passa praticamente ao lado das partidas, mostrando que a posição 10 ainda lhe é algo estranha.

Nesse contexto, e porque o Estoril vai praticamente defender no Estádio do Rei, será melhor por parte de Rui Vitória, utilizar um meio-campo mais ofensivo, com André e Barrientos encarregues de fazerem as transições para o ataque.

No restante da Equipa, Rui Vitória não fará alterações, até porque as soluções no Plantel, são neste momento escassas (a lesão de Marco Matias veio agravar ainda mais a situação).

A nível defensivo é importante, que o quarteto defensivo, volte a apresentar a consistência e segurança da 1ª Jornada frente ao Sporting.

Nas laterais, Alex e Bruno Teles, precisam de dar mais profundidade nos corredores, subindo mais no terreno, e apoiando mais os extremos.

No miolo do terreno, Adoua foi o menos mau na última partida, e será positivo que mantenha a mesma disponibilidade física. Falta depois conseguir uma melhor fase de construção ofensiva no seu posto do terreno, melhorando no capítulo do passe.

Já André, e após um jogo pouco conseguido no último fim-de-semana, é necessário que volte a evidenciar a bitola exibicional que já apresentou com a camisola Branquinha.

Nas alas, Ricardito à direita, precisa de ser mais expedito no 1×1, e mostrar todo o seu potencial, que é muito, mas que nos 2 primeiros Jogos (foram partidas complicadas) ficou algo “escondido”.

Quanto a Toscano, e após 2 jogos onde passou ao “lado” dos desafios, é fulcral que regresse às boas exibições, pois o Vitória precisa do brasileiro ao seu melhor nível. As diagonais de Toscano (tem que aparecer mais na área), podem ser uma das chaves para se ganhar o jogo deste Sábado.

Na área, Soudani, tem-se esforçado muito, mas tem tido pouca bola, espera-se que frente ao Estoril, o Vitória tenha mais caudal ofensivo, e o Argelino possa fazer golos que deem o triunfo aos branquinhos.

Se o Vitória apresentar o futebol que já mostrou na pré-temporada, com circulação de bola, e largura e profundidade nos corredores, irá de certeza conseguir os 3 primeiros pontos da época. Se for o Vitória “adormecido” da 2ª parte frente ao Porto, aí será praticamente impossível ganhar.

Força Vitória e Vitória Sempre!

O Estoril está de regresso à Liga, 7 anos depois da sua última aparição. Nas duas primeiras partidas na Liga, foi derrotado em Olhão 2-1, e empatou em casa com o Paços a 1 bola. Em ambas as partidas, só marcou de Penalty, evidenciado problemas no último terço do terreno.

O objetivo para esta Temporada é conseguir o mais rapidamente possível a manutenção no escalão maior do Futebol Português.

Sistema Tático
O jovem Técnico Marco Silva a nível tático, coloca a sua Equipa a jogar num 1x4x3x3 (um triângulo a meio-campo com Gonçalo Santos, Hugo Leal e muito provavelmente João Coimbra ou então Elizeu, e depois na frente de ataque, um trio muito móvel, com Luis Leal, Tony Taylor e Licá, e neste caso sem um avançado fixo na área).

No Estádio do Rei, o Estoril vai seguramente defender com duas linhas baixas, e tentar sair rápido para o contra-ataque, onde conta com Jogadores rápidos e dotados de boa técnica.

Um empate para os Estorilistas, já seria um grande resultado, até porque 1 ponto fora de portas, e logo frente ao Vitória seria já um excelente pecúlio para a formação da linha de Cascais.

Pontos Fortes
* A nível defensivo, o destaque vai para os 2 laterais da Equipa, casos de Anderson Luiz (um lateral direito moderno) e Jefferson (lateral canhoto bastante ofensivo, e com um forte remate de meia distância) que apresentam boa qualidade.
* No meio-campo, Gonçalo Santos, funciona praticamente como um 3ºCentral, e é um jogador que faz o equilíbrio da Equipa. Também Hugo Leal, pela sua experiência e a forma como marca o ritmo de jogo do Estoril, é um jogador importante na formação de Marco Silva.
* Na frente de ataque, é precisa atenção aos alas, Luís Leal e Tony Taylor, que são rápidos e fortes no 1×1, e a Licá, que é um Avançado forte nas diagonais curtas, e que deambula muito na frente de ataque, fugindo dessa forma às marcações dos defesas contrários.

Pontos Fracos
* No eixo da defesa, sem o “patrão” Steven Vitória, o Estoril vai sentir dificuldades com a dupla Bruno Nascimento e Bruno Miguel a apresentarem debilidades na velocidade e no sentido posicional. No lado esquerdo, com as subidas de Jefferson, não há a devida compensação ao brasileiro, e o Vitória deve explorar o lado direito do seu ataque.
* Falta no meio-campo, um verdadeiro número 10, situação que Hugo Leal nunca foi, nem será agora nesta fase da carreira.
* No ataque, e com João Paulo lesionado, Marco Silva não conta com opções de área, a única solução é o brasileiro Pedro Henrique, ponta de lança possante, mas muito limitado tecnicamente.