Vitória falha assalto ao primeiro lugar

Na tarde deste sábado em Vila do Conde a equipa do Vitória confirmou o favoritismo e triunfou pela vantagem máxima. Os parciais são esclarecedores e acabam por demonstrar o diferencial entre as duas formações. Nos dois primeiros sets a distância foi mais dilatada: 17-25 e 19-25. Já o último parcial foi mais equilibrado, apenas quatro pontos de desnível: 21-25.

Entretanto e à mesma hora em Espinho o Benfica defrontava a Académica local. Ao contrário do esperado a equipa benfiquista foi obrigada a apresentar o seu melhor nível de jogo. A equipa lisboeta saiu derrotada do primeiro parcial por 25-23 e esteve perto de perder o segundo parcial. Conseguiu inclusivé salvar um ponto de set mas acabou por ser superior por 26-28. Nos dois seguintes sets a equipa espinhense foi esmagada por um duplo 15-25.

Estava então dado o mote para o grande jogo deste domingo. O Vitória poderia relegar o Benfica para o segundo lugar desde que somasse 3 pontos frente à equipa de José Jardim. Também podia ser quebrada a malapata do técnico vitoriano. Nuno Coelho ao serviço do Vitória nunca triunfou frente ao líder actual da classificação da divisão A1. Infelizmente nem uma nem outra chegaram a vias de facto…

Sem ter sido um encontro espectacular teve sem dúvida emoção e crença de ambos os lados na perseguição pelo triunfo. Em grande parte do tempo de jogo o equilibrio foi a nota dominante. O Vitória apresentou-se com duas baixas significativas por lesão, Nelson Brízida e Evandro. Do lado benfiquista surgiram três atletas que já representaram o Vitória: Fábio Jardel, Hugo Gaspar e Flávio Cruz.

Ambas as equipas entraram bem no jogo e na paragem do primeiro tempo técnico o marcador registava 6-8. Foi após esta paragem que aconteceu um dos momentos significativos da contenda. Após o ponto do 8-9 para o Benfica o líbero João Fidalgo lesionou-se e teve de ser transportado pelos companheiros para fora da “quadra”. Foi então chamado Fernando Ribeiro para o substituir. Apesar da entrada a frio participu activamente no virar do marcador. A equipa não foi afectada pela lesão do títular João Fidalgo e na paragem do segundo tempo técnico o placar registava 16-13. Até sinal do parcial os branquinhos conseguiram segurar a vantagem e merecidamente triunfar por 25-23.

No segundo set a equipa vimaranse entrou em força e rapidamente conseguiu ter três pontos de vantagem: 4-1. A intervenção pronta de José Jardim através do pedido de tempo permitiu ao Benfica respirar. Após essa paragem a equipa encarnada conseguiu fazer quatro pontos contra um do Vitória. Ficava assim o parcial em 5-5. A partir desde momento nunca mais os branquinhos conseguiram passar para a frente. O Benfica liderou a seu bel-prazer até final do parcial, o qual triunfou por 21-25.

Com a igualdade em parciais antevia-se um terceiro set muito disputado. Essa expectativa saiu gorada. O Vitória voltou a entrar em força contudo desta vez conseguiu surpreender o Benfica. Com muita eficácia em todos os níveis de jogo os pontos surgiram uns atrás dos outros. No primeiro tempo técnico o marcador estava com 8-2. De permeio até ao ao segundo tempo técnico o placar registou 12-2(dez pontos de diferença) e na paragem estava 16-8. O Benfica não conseguiu contrariar o ascendente branquinho e com tranquiilidade o final do parcial surgiu favorável à equipa da casa por 25-18.

O Vitória encontrava-se melhor e com a exibição nesse parcial supunha-se que os branquinhos poderiam aguentar o impacto da reação benfiquista e terminar a partida com um 3-1. O quarto set foi extremamente equilibrado até ao segundo tempo técnico: 16-15. Após esta paragem o Benfica superiorizou-se e com ataques fortíssimos empatou o encontro a 2-2. Este parcial ficou: 20-25. Estava no mínimo garantido um ponto e a manutenção do primeiro lugar na classificação por parte dos lisboetas.

Com a igualdade parcial a “negra” era uma certeza. Incerteza total no desfecho do encontro. Surpreendendo tudo e todos o Benfica consegue entrar em grande estilo na negra. Rapidamente alcançou 0-3. A equipa de Nuno Coelho reagiu mas nem sequer conseguiu igualar. Melhor periodo vitoriano foi por antes da mudança de campo com 6-7 no placar. Na mudança a diferença cifrou-se em dois pontos: 6-8. Com 10-11 o público vimaranense entusiasmou-se e puxava por um final feliz na equipa. Infelizmente tal não veio a acontecer. O Benfica conseguiu triunfar por 10-15 e assim vencer o confronto. Pena foi alguma displicência por parte do Vitória nestes últimos pontos. Discutíveis algumas decisões da dupla de arbitragem neste final de jogo. Pelo menos uma vez em claro benefício dos encarnados na fase crucial da “negra”.

A equipa benfiquista demonstrou uma maior competência assim como grande qualidade em termos coletivos. A equipa do Vitória esteve em bom nível, foi ligeiramente inferior ao seu oponente contudo faltou algo mais para o nosso Vitória conseguir triunfar frente aos encarnados.

Resultados do fim de semana

Sábado:

Vilacondense – Vitória: 0-3 (17-25 ; 19-25 e 21-25)

Académia de Espinho – Benfica: 1-3 (25-23 ; 26-28 ; 15-25 e 15-25)

Marítimo – Sporting de Espinho: 0-3 (17-25, 19-25, 20-25)

Machico – Esmoriz: 0-3 (26-28 ; 16-25 e 17-25)

Clube K – Leixões: 0-3 (23-25 ; 23-25 e 20-25)

Fonte Bastardo – Castêlo da Maia: 1-3 (23-25 ; 25-17 ; 18-25 e 23-25)

Domingo:

Vitória – Benfica: 2-3 ( 25-23 ; 21-25 ; 25-18 ; 20-25 e 10-15)

Machico – Sporting de Espinho: 0-3 (12-25 ; 25-18 e 32-30)

Marítimo – Esmoriz: 3-1 (25-27 ; 26-24 ; 25-22 e  25-23)

Clube K – Castêlo da Maia: 0-3 (20-25 ; 17-25 e 21-25)

Fonte Bastardo – Leixões: 3-1 (25-19 ; 23-25 ; 25-23 e 25-18)

Vilacondense – Académica de Espinho: 3-1 ( 25-19 ; 25-20 ; 20-25 e 25-19)

Classificação

1º – Benfica 14 jogos/ 36 pontos

2º – Vitória 14/ 33

3º – Sporting de Espinho 14/ 33

4º – Castêlo da Maia 14/ 33

5º – Fonte Bastardo 14/ 29

6º – Leixões 14/ 22

7º – Vilacondense 14/ 22

8º – Esmoriz 14/ 17

9º – Marítimo 14/ 10

10º – Clube K 14/ 9

11º – Ac. Espinho 14/ 8

12º – Machico 14/ 0