Vitória fácil frente ao Marítimo + INFO Formação

SENIORES MASCULINOS

O Vitória bateu o Marítimo por 3-0 (25-20; 25-12; 25-22) na última jornada da primeira fase do Campeonato Nacional da Divisão A1.
No próximo fim-de-semana o Vitória desloca-se a Vila do Conde para defrontar o Ginásio Vilacondense nos ¼ de final da Taça de Portugal e no fim-de-semana seguinte inicia-se a 2ª. fase do Campeonato.

FICHA DE JOGO

VITÓRIA S.C.: 3
MARÍTIMO: 0
Pavilhão do Vitória S.C.

Árbitros: António Moreira, da A.V. Porto e Nuno Cunha, da A.V. Braga
Parciais: 25-20 (25’); 25-12 (22’); 25-22(28’)

VITÓRIA SC: Tomás Aldazabal (6 pontos), Roberto Reis (9), Kibinho (10), Danilo Carvalho (11), Evandro Batista (4) e Nelson Brízida (cap.) (14) – seis inicial – Fernando Ribeiro (libero) (1), Francisco Fabião, Cristovão Silva, Nuno Silva, Bruno Matos e Joan Llanes Diaz.
Treinadores: Nuno Coelho e Mário Simões.

MARÍTIMO : Helder Vasconcelos (cap.) (7 pontos), José Vieira (3), Diogo Lopes (8), Jonathan Vasconcelos (11), Luis Vieira e Leander Silva (6) – seis inicial – Marco Silva (líbero), Nélio Mendonça, Jorge Morais, Fábio Vieira (3), Valter Ornelas e Eduardo Freitas.
Treinador: Rui Caldas.

CLASSIFICAÇÃO:

Equipa Pts Jogos Sets
V D Ganhos Perdidos Racio
1 S.L. Benfica 59 20 2 63 13 4,846
2 Sp. Espinho 51 17 5 56 24 2,333
3 VITÓRIA S.C. 50 17 5 57 22 2,590
4 Fonte Bastardo 49 16 6 54 24 2,250
5 Castêlo Maia 49 16 6 56 31 1,806
6 Leixões 38 14 8 47 38 1,237
7 Vilacondense 31 10 12 38 39 0,974
8 Esmoriz 22 8 14 31 49 0,632
9 Ac. Espinho 18 6 16 24 53 0,453
10 Marítimo 17 5 17 24 54 0,444
11 Clube K 9 2 20 17 62 0,274
12 Machico 3 1 21 6 64 0,094

SENIORES FEMININAS

A equipa sénior feminina do Vitória perdeu de novo na 16ª. jornada do Campeonato Nacional da Divisão A2.
Na deslocação a Paços de Ferreira as vitorianas foram batidas pelo Juv. Pacense por 0-3 (12-25; 19-25; 21-25) e fizeram uma pobre exibição.

CLASSIFICAÇÃO:

Equipa Pts Jogos Sets
V D Ganhos Perdidos Racio
1 Univ. Lusófona 39 13 2 42 11 3,818
2 Castêlo Maia 35 12 2 38 13 2,923
3 Boavista 33 11 4 36 19 1,895
4 Sp. Espinho 27 9 5 32 23 1,391
5 Juv. Pacense 24 8 6 29 22 1,318
6 Ac. Coimbra 18 6 8 23 29 0,793
7 VITÓRIA S.C. 7 2 12 13 37 0,351
8 G.D. Cascais 5 2 12 12 38 0,316
9 C.V. Lisboa 4 1 13 7 40 0,175

SENIORES MASCULINOS “B”

Depois do brilhante apuramento para a 2ª. Fase do Campeonato Nacional da 2ª. Divisão, a Federação Portuguesa de Voleibol excluiu a equipa B do Vitória S.C. da possibilidade de lutar pelo título.
Dado que existiam poucas equipas para a disputa quer do Campeonato Nacional da 2ª. Divisão, quer do Campeonato da 3ª. Divisão motivado pelo elevado número de desistências e extinção de clubes, a Federação decidiu juntar todos os clubes num Campeonato único, sendo que os dois primeiros de cada Série iriam disputar a 2ª. fase e o título da 2ª. Divisão e as restantes equipas disputariam agora o título da 3ª. Divisão.
A equipa vitoriana, constituída essencialmente por jogadores da formação do Vitória e componentes da equipa de Juniores do ano transacto, que foram brilhantes vice-campeões nacionais, deram mostras da sua qualidade e bateram vários adversários mais cotados, obtendo assim o apuramento.
No passado dia 18 de Janeiro realizou-se o sorteio da 2ª. fase, que deveria ter o seu início este fim-de-semana, onde a própria Federação integrou a equipa do Vitória, vindo agora a excluí-la alegando que era a sua primeira inscrição e que é por isso uma equipa de 3ª. Divisão estando impossibilitada de lutar pelo título da 2ª. Divisão, para o qual obteve o apuramento em campo.
O caso está entregue ao Departamento Jurídico do clube, que irá analisar as possibilidades legais do Vitória recorrer, pois enquanto foi do interesse da Federação esta contou com a equipa do Vitória para completar o quadro competitivo da 2ª. Divisão e dar competitividade ao Campeonato Nacional. Agora, alegadamente por denuncia de algum clube, a Federação descobriu um buraco no Regulamento e quer repor a legalidade à custa da exclusão da equipa vitoriana.
Para já ambas as competições foram suspensas e espera-se uma resolução breve.

EQUIPAS DA FORMAÇÃO

Os Juniores Masculinos perderam em casa com a Ac. S. Mamede por 2-3 (25-23; 23-25; 25-23; 23-25; 11-15).
O jogo, como se vê pelos parciais, foi emocionante e equilibrado, com os vitorianos a ter algum azar na forma como perderam o encontro.
Batendo-se de igual para igual com uma equipa mais velha e mais matreira, o Vitória merecia ter tido melhor sorte e ter terminado o encontro na frente.

As Infantis Femininas deslocaram-se a S. Mamede de Infesta e perante a mesma Ac. S. Mamede venceram por 3-0 (28-26; 25-20, 25-20).
A forma como decorreu o primeiro set determinou desde logo o vencedor do encontro, pois as vitorianas entraram em jogo cheias de raça e com muita entrega e concentração. O resultado do parcial, que terminou nas vantagens, premiou a equipa que mais lutou pela vitória.
As atletas do Vitória ficaram moralizadas com o resultado do primeiro set e partiram para a vitória no jogo sem dar grandes possibilidades de reacção. As adversárias bem tentaram reagir mas psicologicamente o Vitória estava muito forte.

Na Taça Nacional as Juniores Femininas venceram o F.C. Amares por 3-0 (25-15; 25-14; 25-13) e demonstraram claramente a sua superioridade. Muito bem no Serviço e na Recepção a equipa vitoriana não facilitou perante um opositor menos qualificado e venceu de forma clara.

Já os Juvenis Masculinos que também estão a disputar a Taça Nacional, perderam os três jogos disputados, todos por 1-2, perante o C.A.I.C., o V.C. Viana e a Esc. Latino Coelho.
Apesar de terem estado bem em todos os jogos, algumas desatenções originaram a perda de alguns pontos em momentos decisivos dos jogos. Essa infelicidade determinou as três derrotas, apesar do mérito dos adversários em explorar esses momentos menos bons dos vitorianos.

Finalmente as Juvenis Femininas fizeram um jogo excepcional e perante um opositor teoricamente superior venceram em Espinho por 3-2 (19-25; 25-23; 14-25; 25-18; 19-17).
O Sp. Espinho entrou forte e venceu por 25-19 no primeiro set; logo de seguida as vitorianas reagiram e deram a resposta vencendo o segundo set por 25-23.
Com o jogo igualado e com o Vitória mais confiante, esperava-se um jogo equilibrado até final, mas o que se viu foi um Sp. Espinho muito forte a fazer o 2-1 com um parcial desnivelado de 25-14.
As atletas do Vitória acusaram o toque e entraram mal no quarto set, mas depressa reagiram, com uma força interior enorme e bateram a equipa da casa por 25-18.
O derradeiro set foi tremendo em termos de emoção e de voleibol, pois apesar de decisivo e de ter deixado os nervos à flor da pele na assistência, as atletas de ambas as equipas entregaram-se ao jogo como se fosse o do título e jogaram muito bem. Com qualquer uma das equipas a poder vencer o set e o jogo, foi agora a do Vitória a ser mais feliz e a trazer o triunfo.

Secção de Voleibol Vitória Sport Clube